i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Debate

Entre ser um projeto e uma lista de desejos

  • PorFabiane Ziolla Menezes e Raphael Marchiori
  • 27/09/2015 22:00

Na avaliação do arquiteto e urbanista Clóvis Ultramari, professor da UFPR e do programa de mestrado e doutorado de Gestão Urbana da PUCPR, à primeira vista nenhuma das emendas feitas pelos vereadores de Curitiba ao texto do novo Plano Diretor parece ter passado por um estudo prévio de viabilidade financeira.

“Essa lista corre o risco de se transformar numa ‘lista de desejos’. Excelente, mas pouco factível”, critica Ultramari.

Outra observação do pesquisador é de que a maioria das propostas anexadas ao projeto de revisão do Plano Diretor são pontuais e poderiam ser feitas em procedimentos internos à prefeitura, ou seja, ficar a cargo do Executivo.

A instalação de paraciclos em parques, por exemplo – uma emenda da vereadora Noemia Rocha (PMDB) – é algo tão consensual entre a população que poderia ser implementada com um simples ato administrativo.

“A despeito da exigência legal de atualizarmos o Plano, vale mesmo a pena o dispêndio de tanto esforço social e profissional para essas propostas?”, questiona Clóvis Ultramari.

Defesa das emendas

O vereador Jonny Stica (PT), relator do projeto na Câmara Municipal, alega que as emendas não são tantas assim. E defende que para colocá-las em prática a prefeitura terá de prever recursos nos planos plurianuais e na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO). Em defesa dos legisladores, Stica argumenta que as emendas apenas são um reflexo de demandas da sociedade.

“A Câmara acaba sendo um canal para a população colocar suas ideias”, diz Stica. “Os vereadores tentam colocar essas proposições de forma legítima . Mas o plenário, de forma soberana, é que vai votar o que considera importante para a cidade”.

Algumas propostas são tão polêmicas, por beneficiarem muito claramente um determinado grupo da sociedade, que não deveriam passar sem maior debate. É o caso da permissão para que os táxis usem as faixas exclusivas de ônibus quando estiverem com passageiros a bordo. “Quem e quantos ganharão com isso? Que impacto a medida pode ter realmente?”, indaga Ultramari.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.