i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
JMJ

História de Copacabana é intimamente ligada à fé

Nossa Senhora de Copacabana arrastava multidões em romarias bolivianas e passou a ser homenageada por aqui na época do Brasil colonial

  • PorAgência O Globo
  • 27/07/2013 21:11
A Princesinha do Mar, antes “plano B”, virou palco principal da Jornada Mundial da Juventude | Aniele Nascimento/ Gazeta do Povo
A Princesinha do Mar, antes “plano B”, virou palco principal da Jornada Mundial da Juventude| Foto: Aniele Nascimento/ Gazeta do Povo

Cenário frequente da vibração profana do rock n’roll, da irreverência das paradas gays e do chopinho sem compromisso do pós-praia, Copacabana tem uma história intimamente ligada à fé. A começar pelo próprio nome de batismo, que pegou emprestado de um povoado às margens do Lago Titicaca, encravado na fronteira da Bolívia com o Peru. A saga da nossa Princesinha do Mar, "plano B" que virou palco principal desta Jornada Mundial da Juventude, remonta à Bolívia do século XVI. Nobre descendente da família real inca convertido ao cristianismo, Francisco Tito Yupanqui fez sua devoção à Nossa Senhora de Copacabana atravessar séculos, fronteiras e ganhar terras tupiniquins.

O historiador Severino Vicente da Silva, professor da Universidade Federal de Pernambuco, lembra que o Brasil colonial tinha uma expressiva relação comercial com os países andinos. O intercâmbio religioso também era consistente. Não tardou para que a Virgem de Copacabana, que arrastava multidões em romarias bolivianas, fosse homenageada por aqui.

"Os jesuítas que atuavam no começo da ocupação da América não atuavam dentro dos limites políticos conhecidos hoje, que só foram estabelecidos após 1750. Havia uma movimentação muito grande pelos rios. A Copacabana do Rio é originária dessa devoção boliviana", diz o historiador.

O também historiador Nireu Cavalcanti lembra que há dúvidas envolvendo o paradeiro de uma imagem da santa que teria sido trazida ao Rio. "Alguns historiadores inclusive garantem que a imagem da santa veio de lá para a Igreja de Nossa Senhora de Bonsucesso, no Centro, antes de ser transferida para a Zona Sul. Depois, esta imagem teria sumido", relata.

Em 1746, a santa batizou uma simpática igrejinha onde hoje está o Forte Copacabana. Se a construção não existe mais – deu lugar à moderna Paróquia da Ressurreição, erguida em 1975 – a devoção católica jamais perdeu peso: a Copacabana carioca tem hoje 63,3% de católicos, contra 9,1% de espiritualistas (adeptos da umbanda e do candomblé), 7,6% de evangélicos pentecostais, 4,3% de adeptos de religiões orientais, 1,7% de protestantes e 2% que seguem "outras religiões". Os ateus somam 12%, de acordo com a Kartor Consultoria, em estudo feito com base em dados do IBGE 2010.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.