i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
briga com motorista

Estudante é condenado a 13 anos por acidente que matou 9 pessoas no Rio

    • Folhapress
    • 28/01/2016 08:06
    Acidente aconteceu em 2013 | Carlo Wrede/Agência O Dia/Arquivo
    Acidente aconteceu em 2013| Foto: Carlo Wrede/Agência O Dia/Arquivo

    O universitário Rodrigo dos Santos Freire foi condenado pela Justiça do Rio a 13 anos de prisão por acidente com um ônibus que matou nove pessoas e deixou sete feridas, em 2013. Cabe recurso da decisão.

    O acidente ocorreu após uma briga entre o estudante e o motorista do ônibus, que estava em movimento. Testemunhas disseram que Freire não conseguiu desembarcar no ponto desejado e pulou a roleta insistindo para que o motorista parasse o coletivo. Outros passageiros conseguiram descer.

    Nos relatos, as testemunhas disseram que o motorista André Luiz da Silva começou a gritar para que o universitário pulasse a roleta de volta. Freire continuou alterado, xingou o motorista e exigiu que abrisse a porta da frente para ele descer, de acordo com os relatos.

    O motorista desviava a atenção da direção para discutir com o estudante, segundo depoimentos. No meio da discussão, Freire começou a dar socos e pontapés no condutor, que desmaiou ao volante.

    O veículo caiu de uma altura de cerca de 10 metros do viaduto Brigadeiro Trompowski, um dos acessos à Ilha do Governador, na avenida Brasil.

    Em depoimento, Freire falou que estava atrasado para a aula no campus da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) quando embarcou. O universitário disse que o motorista fechou a porta traseira do coletivo, impedindo que ele e uma mulher desembarcassem.

    Segundo o estudante, o motorista começou a xingá-lo e por isso pulou a catraca na tentativa de convencê-lo a parar o veículo. Na versão do estudante, o condutor continuou a ofendê-lo e levantou, segurando com apenas uma das mãos o volante, chamando-o para brigar.

    Freire permaneceu no segundo degrau da parte dianteira do veículo. Do local, ele falou que deu um único chute no pescoço do motorista, que perdeu a direção do coletivo.

    O motorista disse lembrar apenas do horário que começou a trabalhar e do momento em que entrou na sala de cirurgia para operar o fêmur. Silva reconheceu nenhuma das testemunhas do acidente nem o agressor.

    Para a Justiça, Freire cometeu “o crime por motivo fútil” e com “avantajada desproporção entre a motivação e o delito praticado”. Ele foi condenado a três anos pelo crime de lesão corporal grave e a 10 por atentado contra o meio de transporte, totalizando 13 anos de prisão.

    O estudante poderá recorrer da sentença livre, pois permaneceu em liberdade durante toda a ação penal.

    Já o motorista foi inocentado do crime de expor a perigo meio de transporte público. Para o juiz, o comportamento do motorista não influiu no acidente.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.