i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
crime no rio

Família dispensa advogada que defendia vítima de estupro

Eloisa Samy contou que a vítima entrou para programa de proteção

    • Agência O Globo
    • 29/05/2016 19:18
    Em Curitiba, mulheres fizeram ato de apoio à vítima na última sexta-feira (27) | Daniel Castellano/Gazeta do Povo
    Em Curitiba, mulheres fizeram ato de apoio à vítima na última sexta-feira (27)| Foto: Daniel Castellano/Gazeta do Povo

    A advogada Eloísa Samy informou na noite deste domingo (29) que não está mais atendendo a adolescente de 16 anos vítima de um estupro no Rio de Janeiro. Eloísa orientava a jovem desde o início do caso. Ela informou que a avó da jovem agradeceu o trabalho e disse que a menina entraria para o Programa de Proteção a Crianças e Adolescentes Ameaçados de Morte (PPCAAM).

    “A avó me mandou um áudio hoje por WhatsApp agradecendo a minha dedicação, o meu empenho, mas que daqui para frente eles estavam sob a assistência do Estado pela secretaria de Direitos Humanos e Assistência Social. Entraram na PPCAAM”, afirmou Eloísa.

    O PPCAAM foi criado em 2003 como uma das estratégias do Governo Federal para o enfrentamento do tema da letalidade infanto-juvenil, e foi instituído oficialmente em 2007, pelo Decreto 6.231/07. Em entrevista na última sexta-feira (27), a delegada titular da Delegacia da Criança e do Adolescente Vítima (DCAV), Cristiana Onorato Bento, afirmou que o programa estava pronto para ser acionado, caso fosse do interesse da vítima e de sua família.

    No fim da tarde deste domingo, a Polícia Civil informou que a Delegacia da Criança e do Adolescente Vítima (DCAV) havia assumido a coordenação da investigação do caso. Segundo nota divulgada pelo órgão, “a medida visa evidenciar o caráter protetivo à menor vítima na condução da investigação, bem como afastar futuros questionamentos de parcialidade no trabalho”.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.