i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Defesa

“Fator Hugo Chávez” preocupa estrategistas militares do país

Orçamento do ministério vai aumentar de R$ 6,5 bilhões para R$ 10 bilhões no ano que vem

  • Por
  • 06/11/2007 19:28

São José dos Campos (SP) – O comandante da Aeronáutica, Juniti Saito, anunciou ontem que, a partir de 2008, o governo reabrirá o processo de compra de aviões de caça, o chamado FX 2. O sinal verde para a retomada do projeto, que estava suspenso desde o primeiro mandato do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, foi dado pelo ministro da Defesa, Nelson Jobim.

O governo já aumentou o orçamento da Defesa dos atuais R$ 6,5 bilhões para quase R$ 10 bilhões ano que vem. A pressão de setores militares pelo reaparelhamento da máquina de guerra brasileira vem aumentando desde que a Venezuela, do presidente Hugo Chávez, decidiu comprar grandes quantidades de fuzis e aviões caça.

O projeto de compra de caças surgiu ainda durante o governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, mas foi suspenso no primeiro mandato do presidente Lula por falta de recursos. A proposta inicial estava orçada em US$ 700 milhões. Juniti Saito não informou quantos e quais aviões a Aeronáutica prende comprar. Mas o novo plano seria mais ambicioso e ainda mais caro. O modelo e a quantidade de aviões dependeriam da estratégia de defesa de longo prazo que está sendo preparada a pedido do ministro Nelson Jobim.

Juniti Saito negou que as Forças Armadas encarem a Venezuela, de Chávez, como uma ameaça à integridade do território brasileiro.

"O Brasil é um país muito grande para ser ameaçado. Mas precisamos de uma Força Aérea com capacidade de dissuasão", afirmou.

O reaparelhamento das Forças Armadas como reação ao crescente poderio bélico da Venezuela veio à tona depois da passagem de Saito pela Comissão de Relações Exteriores da Câmara, semana passada. Numa sessão a portas fechadas, Saito reclamou da perda de capacidade operacional das Forças Armadas Brasileiras. O comandante disse que a Força Aérea Brasileira estava perdendo poder frente às frotas de aviões de guerra do Chile, do Peru e da Venezuela. Para ele, seria premente a necessidade de reestruturação da FAB.

Duas semanas depois, o senador José Sarney (PMDB-AP) fez um discurso alertando sobre o suposto perigo que seria a Venezuela. Dentro da Aeronáutica, Marinha e Exército é praticamente consenso a necessidade de reestruturação das Forças Armadas. Mas as declarações sobre a Venezuela como uma ameaça são vistas com reserva por alguns oficiais.

Para esses militares, a Venezuela ocupa hoje o papel de falso inimigo que por longo tempo coube à Argentina. Muitos militares teriam pressionado o governo a transferir parte das tropas para a fronteira Sul porque o país poderia ser invadido pelos argentinos. A Argentina seria, depois do Brasil, a maior potência militar da América do Sul.

O comandante Juniti Saito afirmou que não vê problema na Embraer vender aviões para a Blackwater, empresa de segurança contratada pelo governo dos Estados Unidos para atuar no Iraque. As informações sobre o negócio foram divulgadas na coluna de domingo do jornalista Élio Gaspari. A Blackwater está sob investigação do Congresso norte-americano.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.