Instituo de Educação do Paraná, um dos primeiros pontos considerados para o roteiro da cultura afro, foi onde estudou Enedina Marques, primeira engenheira negra da UFPR, e possivelmente do país. | Marcelo Andrade/Gazeta do Povo
Instituo de Educação do Paraná, um dos primeiros pontos considerados para o roteiro da cultura afro, foi onde estudou Enedina Marques, primeira engenheira negra da UFPR, e possivelmente do país.| Foto: Marcelo Andrade/Gazeta do Povo

Encontrar símbolos da história e da cultura negra em Curitiba não é tarefa difícil – os principais marcos estão no Centro da capital, embaixo do nariz de turistas e transeuntes. O que falta é difundir informação sobre a importância destes locais.

  • Igreja do Rosário, conhecida como “dos negros”, abrigava a Irmandade da Nossa Senhora do Rosário dos Pretos de São Benedito
  • Sociedade Operária 13 de Maio foi fundada por ex-escravos e hoje abriga diversas manifestações de povos de origem africana
  • Praça Generoso Marques foi batizada em nome de um jurista que defendeu negros, abrigou a cadeia pública de Curitiba e, possivelmente, o pelourinho. Hoje conta com uma estátua de uma figura negra feminina
  • Praça Generoso Marques possivelmente abrigou o Pelourinho de Curitiba. Placa é de 1993
  • Fonte da Praça Zacarias foi homenagem aos irmãos Rebouças, engenheiros negros. Local foi palco de conflito entre pessoas brancas e escravas, que utilizavam o local para banhar-se e lavar roupa
  • Instituto de Educação do Paraná foi a primeira escola de Enedina Marques, primeira engenheira negra a se formar pela UFPR
  • Rua Barão do Rio Branco ganhou o nome de Rua da Liberdade, em homenagem à libertação dos escravos. Prédio que abriga o Museu da Imagem e do Som (MIS) chama-se Palácio da Liberdade por este motivo
  • Igreja “dos brancos”, Catedral de Curitiba foi epicentro de negros operários durante sua reforma, no período final da escravidão
  • Praça Zumbi dos Palmares foi revitalizada e ganhou um Memorial Africano em 2010
  • Praça Tiradentes virou marco para os adeptos do Candomblé por abriga r gameleiras, árvores consideradas sagradas

Pensando nisso, o pesquisador Thiago Hoshino, em parceria com outros estudiosos, montou um roteiro sobre a cultura afro na capital e que agora está sendo avaliado pela Fundação Cultural de Curitiba (FCC) para se tornar, até o fim de 2015, um museu de percurso. “A proposta é sair um pouco da narrativa tradicional do escravo oprimido e também mostrar outras biografias dentro da escravidão. Negros letrados, lutas de escravos etc”, explica Hoshino.

O esforço em dar visibilidade a estes espaços, no entanto, não muda o fato de que a cultura negra é sub-representada na capital paranaense, pondera o presidente da FCC, Marcos Cordiolli. “Curitiba tem um quarto da população de origem africana, o que nunca foi devidamente reconhecido pela cidade.”

Um exemplo é a Praça Zacarias. O chafariz ali instalado foi uma homenagem aos irmãos Antônio e André Rebouças, engenheiros negros e responsáveis pelo primeiro sistema de saneamento de Curitiba –além da ferrovia Curitiba-Paranaguá e da Estrada da Graciosa.

Praça Generoso Marques guarda, sozinha, vários fatos da cultura afro

O prédio original do antigo Paço Municipal (que pegou fogo em 1897) abrigava também a Cadeia Pública, palco da história de muitos escravos. Entre eles Pedro Manoel, chamado professor, que passou 25 anos preso e alfabetizando colegas; quando suas aulas foram proibidas, ele fugiu. O próprio Generoso, que dá nome ao local, defendeu vários escravos em processos penais, conta Hoshino.

O local pode ter abrigado o pelourinho municipal. O monumento de punição de criminosos era também um sinal de jurisdição da vila, e faz sentido que estivesse instalado ao lado da sede do poder. No entanto, não há provas concretas de que fosse lá o local de punição, segundo Hoshino, embora uma placa de 1993 instalada nos fundos do atual Paço da Liberdade afirme isso.

A escultura “Água Pro Morro”, de Erbo Stenzel, também está na praça. Este é um dos poucos monumentos da cidade que representa uma pessoa negra. Diz a lenda que o artista teria se inspirado em uma mulher pela qual se apaixonou, no Rio de Janeiro. Colocada ali por ocasião dos 300 anos da capital, a escultura foi rebatizada de “Maria Lata D’Água”, o que causou a revolta do movimento negro.

Esta mesma fonte foi palco de conflitos entre escravos e brancos, no século 19. Hoshino, que investigou processos jurídicos do período escravagista, conta que há relatos nos jornais da época sobre disputas pela água. “Quem morava ali reclamava muito que escravos e ‘populares’ iam lá buscar água, tomar banho, as lavadeiras também utilizavam a fonte, e eles [moradores da região] pediam intervenção policial.”

Próximo dali fica o Instituto de Educação do Paraná, onde estudou Enedina Marques, primeira engenheira negra formada pela Universidade Federal do Paraná (UFPR) e possivelmente a primeira do país.

Em frente ao marco zero da Al. Princesa Izabel – via que leva o nome da princesa que aboliu a escravidão há exatos 127 anos – está a Sociedade Operária Beneficiente Treze de Maio. Idealizada por Vicente Moreira de Freitas para ajudar ex-escravos, o clube aceitava apenas negros. Hoje trabalha com projetos de valorização desta cultura.

A Igreja da Matriz, na Praça Tiradentes, virou um reduto de trabalhadores negros durante sua reforma, entre 1876 e 1893. Há relatos de que o engenheiro Giovani Lazzarini instituiu um fundo que reservava parte dos salários dos próprios pedreiros para pagar a alforria dos colegas sem liberdade, segundo conta a historiadora Marcia Elisa de Campos Graf em seu livro Imprensa Periódica e Escravidão no Paraná. Indiretamente, a reforma deu força à criação da Treze de Maio. Isto porque os negros ficaram sem espaço, uma vez que a população branca passou a ir à missa da Igreja do Rosário, no São Francisco, onde funcionava a Irmandade da Nossa Senhora do Rosário dos Pretos de São Benedito.

Bairros e até as árvores da Praça Tiradentes também são referência para o povo negro

No século 20 dois lugares de Curitiba foram marcados pela trajetória do povo negro: o bairro Rebouças, antiga morada de operários e que foi batizado em homenagem aos proeminentes engenheiros negros; e a Vila Tassi, que ficava na atual Vila Capanema, possivelmente onde hoje está instalado o moinho da fábrica Anaconda.

Foi ali que em 1945 nasceu a Colorado, primeira escola de samba curitibana. Não há um local específico que marque a fundação da agremiação. Não havia uma sede, e os ensaios aconteciam na própria vila, muitas vezes debaixo do Viaduto do Capanema, conta o jornalista Teotônio Souto Maior, que ajudou na pesquisa do livro Colorado: a primeira escola de samba de Curitiba, de João Carlos de Freitas. Um dos berços foi a casa do fundador Ismael Cordeiro, o Maé da Cuíca. A construção continua de pé, e hoje abriga Rosemari Cordeiro de Miranda, a filha do Maé.

Formalmente, a cidade também possui, ao Sul, no bairro Pinheirinho, a Praça Zumbi dos Palmares, feita em homenagem ao líder do maior quilombo da história brasileira e revitalizada em 2010, quando recebeu o Memorial Africano.

Informalmente, as gameleiras da Praça Tiradentes são referência para os adeptos do candomblé. As árvores são sagradas para eles. “Toda vez que o povo de santo faz algum ato, veste as gameleiras, que são chamadas [pelo nome do orixá] Iroko”, conta o pesquisador Thiago Oshino.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]