i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
agentes do bem

Formação com foco mais humano

  • Por
  • 06/02/2010 21:04

A formação dos policiais militares paranaenses ganhou ares mais humanistas há um ano, desde que o coronel Roberson Bondaruk assumiu a Academia Militar do Guadupê. O tenente-coronel Renato Jorge da Silveira, sub comandante da academia, diz que esta mudança estava em curso há cerca de dez anos, mas agora os direitos humanos são a principal pauta do ensino no local. "Focamos o policiamento comunitário. A boa formação é a nossa meta." Ele afirma que a intenção é desmistificar a ideia do PM violento. "Há 30 anos a formação era diferente. Hoje estamos chamando os policiais para fazer um curso de atualização. Nossa formação de oficiais, por exemplo, tem atividades na Vila Osternack, que já foi uma das re­giões mais violentas de Curi­tiba. O policial não é uma ‘raça’ diferente, ele é fruto da sociedade."

Foi pensando no lado humano do policial que o tenente Luciano Blasius decidiu entrar para a corporação. Filho de um soldado da PM, ele, desde criança, nunca concordou com o tratamento dado ao pai pelos superiores. "Se estamos falando em direitos humanos, isso tem de começar dentro da instituição." Blasius faz parte de uma nova geração de policiais que se voltou ao conhecimento acadêmico para tentar encontrar uma solução para a segurança pública. Mas, infelizmente, menos de 1% desses profissionais chegam ao doutorado. "Trabalhei no Proerd e vi que conseguíamos ter uma relação próxima com as crianças. Mas, quando elas chegam à adolescência, deixamos de ser super-heróis. Então decidi estudar para ver o que tinha de errado." Hoje ele é professor no Guatupê e diz ter esperança. "Precisamos que, desde o soldado até o coronel, todos tenham consciência de sua missão. E estamos trabalhando para isso." (PC)

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.