i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
futuro das cidades

Calçadas ainda são gargalos na mobilidade do país

Sem fiscalização, os passeios – quando existem – são geralmente inóspitos ao pedestre

  • PorRaphael Marchiori
  • 02/05/2016 10:51

Se por um lado diversos municípios estão adotando políticas de priorização do transporte coletivo em detrimento do individual, por outro as calçadas continuam negligenciadas na maioria deles. Isso ocorre principalmente nas periferias das grandes cidades. Diversas legislações municipais, como a de Curitiba, colocam o proprietário do imóvel como responsável pela implantação e manutenção dos passeios públicos. Mas, sem fiscalização, esses espaços – quando existem – são geralmente inóspitos ao pedestre.

Para Lincoln Paiva, do Instituto Mobilidade Verde, esse problema somente se resolverá quando o município tomar para si essa responsabilidade. “O Código Brasileiro de Trânsito já atribui ao município a responsabilidade pelas vias. E a calçada faz parte delas. O problema é que municipalidade costuma olhar para o sistema apenas para os carros”, critica.

Faixas exclusivas são aposta para resolver o trânsito. Mas será que são eficazes?

Leia a matéria completa

A prefeitura de São Paulo anunciou em 2008 um plano para que ela própria pudesse implantar ou reformar calçadas em rotas estratégias e de segurança, geralmente em circuitos que agregam maior número de serviços e meios de transporte coletivo. Além disso, em 2013, o executivo paulistano criou novas regras para multar quem não fizesse a manutenção adequada do calçamento. “Mas isso entra administração sai administração e ninguém fiscaliza porque não tem efetivo para isso”, diz Paiva.

Curitiba também tem um plano de calçadas, lançado em 2014. O objetivo é construir e revitalizar 265 quilômetros de passeios, que inclui transformar ruas em calçadões em todas as nove regionais administrativas e implantar os chamados “Caminhos de Luz” – rede de calçadas seguras e integradas a equipamentos públicos. Até o momento, segundo o Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba (Ippuc), foram concluídos 92,95 quilômetros de calçadas, em obras nas ruas Goiás e Raul Pompéia e também num trecho da Linha Verde.

Também segundo o Ippuc, estão em elaboração 30 quilômetros de novas calçadas em vários locais da cidade. De acordo com o órgão, ainda em 2015 foram concluídos outros 31 km em projetos que incluem calçadas. Esses novos projetos contam com melhores diretrizes para calçadas, como esquinas rebaixadas e com balizadores de proteção, ou ainda o uso de materiais drenantes. O Censo do IBGE de 2010 indicou que pelo menos 210 mil residências curitibanas não têm passeios – número que pode estar subestimado.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

    Fim dos comentários.