| Taylor and Kevin/Creative Commons/ Licença 2.0
| Foto: Taylor and Kevin/Creative Commons/ Licença 2.0

No início deste mês de setembro, um novo trecho de ferrovia para trens de alta velocidade foi inaugurado na Europa, mas este não é um trecho qualquer. Foram necessários quase 30 anos – e um investimento da ordem de 10 bilhões de euros, segundo site CityLab e outros jornais locais – para ligar Berlim e Munique, o leste ao oeste do país. O projeto envolve a construção de 29 viadutos e 22 túneis em meio às florestas da região Turingia. Por ora, a distância entre as duas cidades, protagonistas de um dos maiores fluxos internos de passageiros do país, pode ser percorrida, em média, em 6 horas e 15 minutos. Mas com melhorias nos mecanismos de transmissão de energia será possível colocar trens de alta velocidade (de até 300 km/h) no trecho, que tem pouco mais de 500 quilômetros, e a viagem poderá ser encurtada para 4 horas. Isso está previsto para o fim de 2017. O trecho também deverá facilitar a ligação de cidades alemãs com outras cidades europeias.

Leia mais sobre o Futuro das Cidades

Vilarejo alemão coloca luzes no chão para alertar usuários de celular sobre trânsito

Startup alemã cria supersistema de navegação para bicicletas

Segundo o jornal The Süddeutsche Zeitung (SZ), os testes com o trecho final já começaram. Também segundo a publicação, a redução do tempo de viagem será fundamental para atrair passageiros para os trens: hoje a passagem custa entre 75 e 200 euros. Devido ao preço, considerado caro pelos padrões europeus, muita gente ainda opta por fazer a viagem entre Berlim e Munique de ônibus, com duração de mais de sete horas e gastando 20 euros. Esse equilíbrio entre possível demanda e o custo total do projeto ao longo das últimas décadas é uma das principais críticas à ferrovia: a ideia parece ter saído cara demais e correria o risco de ser pouco usada.

Apesar das críticas, esse trecho de ferrovia para trens de alta velocidade é também um marco para o país, já que é mais um elemento que simboliza a reunificação alemã. Segundo o SZ, o projeto só foi encarado como prioridade a partir do mandato da chanceler Angela Merkel, em 2006.

Saiba mais

Dentro do país, as linhas de alta velocidade entre as principais cidades alemãs e europeias são administradas dentro do serviço InterCity Express (ICE), pela Deutsche Bahn (DB). Para consultar preços de tickets e saber mais acesse o site da companhia: http://bit.ly/29PmzVo

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]