i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
crise na educação

Governo cede, faz promessas, mas greve continua

APP-Sindicato decide hoje se marca uma assembleia geral. Até lá, barracas seguem em frente ao Palácio Iguaçu

  • PorDiego Antonelli, Fabiane Ziolla Menezes e colaboração de Felipe Vanini, especial para a Gazeta do Povo
  • 26/02/2015 03:00
Milhares de professores e outros servidores participaram de uma marcha até o Palácio Iguaçu nessa quarta-feira (25). | Henry Milleo/Gazeta do Povo
Milhares de professores e outros servidores participaram de uma marcha até o Palácio Iguaçu nessa quarta-feira (25).| Foto: Henry Milleo/Gazeta do Povo

O governo do Paraná se comprometeu a pagar integralmente até 31 de março o terço de férias dos professores da educação básica e das instituições de ensino superior do estado. O impacto financeiro previsto é de R$ 116 milhões. O acordo foi definido ontem durante a terceira reunião entre representantes do governo estadual e do Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Paraná (APP-Sindicato), no Palácio Iguaçu.

Universidades receberão R$ 26, 9 milhões para custeio

R$ 116 milhões

é o impacto previsto para o pagamento do terço de férias dos professores da educação básica (R$ 96 milhões) e das universidades estaduais
(R$ 20 milhões), em uma única parcela, até 31 de março.

Até o fim de fevereiro, o governo estadual prometeu pagar os servidores que tiraram férias em novembro e dezembro do ano passado. Este débito chega a um total de
R$ 12 milhões.

Para o presidente da APP, Hermes Leão, a proposta é um avanço. “Não é o que esperávamos. Mas reconhecemos que houve esforço para avançar na pauta”, afirma. O valor que o governo do estado deve aos professores do ensino básico é de R$ 96 milhões e para os docentes universitários, de R$ 20 milhões.

Volta às aulas

A APP-SIndicato deve marcar hoje uma data para a assembleia geral da categoria que irá avaliar as propostas do governo estadual. Se a categoria aceitá-las e decidir por acabar com a greve, as aulas devem começar entre terça-feira e quarta-feira da próxima semana.

Não há ainda um cronograma de como serão realizadas as reposições das aulas. Ao todo, serão 15 dias letivos perdidos.

Durante o encontro, que durou aproximadamente três horas, o secretário da Casa Civil, Eduardo Sciarra, prometeu que, até o fim de fevereiro, o governo vai pagar R$ 12 milhões aos servidores que tiraram férias em novembro e dezembro do ano passado.

Questionado sobre a origem do dinheiro, Sciarra disse que os recursos foram “arrecadados pelo estado.” O governo Richa ainda terá de saldar R$ 40 milhões em férias atrasadas de outros servidores estaduais. O pagamento está previsto para abril. “Esgotamos a pauta [de reivindicações] ao longo do dia. Avanços significativos aconteceram”, assegurou Sciarra.

Marcha reúne 10 mil, diz PM. Para a APP, foram 50 mil

Servidores públicos estaduais, em sua maioria professores liderados pela APP-Sindicato, fizeram ontem uma marcha de repúdio à crise financeira do estado e às propostas feitas pela gestão Richa para resolvê-la. Segundo a Polícia Militar, a manifestação chegou a reunir 10 mil pessoas. Já os sindicatos disseram que 50 mil participaram. Os manifestantes saíram em marcha partindo de dois pontos distintos: um da Praça Rui Barbosa e outro partiu da Praça Santos Andrade. Ambos foram em direção ao Palácio Iguaçu, onde o governo e a categoria se reuniram para discutir, pela terceira vez, o fim da greve dos professores. Todas as ruas pelas quais passavam eram fechadas por funcionários do Detran, identificados com coletes, que também aderiram ao movimento grevista. O grupo que partiu da Praça Rui Barbosa seguiu pela Rua Visconde de Nácar e chegou até a Avenida Vicente Machado, onde fica a sede da Secretaria da Fazenda. Por onde passaram, os manifestantes tiveram o apoio de vários populares. Em dado momento, até mesmo uma viatura da PM sustentou um papel sulfite que dizia que a categoria “estava junto” na luta dos professores.

Não é o que esperávamos [quanto ao pagamento das férias atrasadas]. Mas reconhecemos que houve esforço para avançar na pauta.

Hermes Leão, presidente da APP-Sindicato.

Quase todas as reivindicações dos professores serão atendidas, segundo o governo estadual. Líder da gestão Richa na Assembleia, o deputado Luiz Claudio Romanelli (PMDB), que também participou das negociações, informou que a maior parte dos 29 mil professores contratados pelo Processo Seletivo Simplificado (PSS) que atuaram na rede estadual ao longo de 2014 recebeu os valores devidos pela rescisão de seus contratos. O governo estadual liberou R$ 70 milhões do Tesouro para quitar o débito.

A diretora da APP-Sindicato, Marlei Fernandes, confirmou a informação, mas ponderou que cerca de mil profissionais ainda não receberam o dinheiro por questões bancárias.

Outro avanço ocorreu em relação às licenças especiais da categoria. O “pacotaço” do governo estadual previa que elas ficariam suspensas por tempo indeterminado. Agora, a suspensão vale até julho. A partir de agosto, os professores poderão voltar a pedir o benefício. Também a partir do segundo semestre, o Plano de Desenvolvimento da Educação (PDE), de formação e progressão de carreira dos professores, deve ser retomado.

Porte de turmas será reconsiderado

Outro ponto que gera impasse entre professores e governo e que deve ser resolvido é o porte das turmas. O secretário da Casal Civil, Eduardo Sciarra, afirmou que o governo vai redimensionar as turmas dos colégios para que sejam respeitados os limites máximos de alunos por sala de aula.

Segundo normas da Secretaria Estadual de Educação, o número máximo de alunos por turma para os 6.º e 7.º anos, por exemplo, é de 30; para os 8.º e 9.º anos, 35; e para o ensino médio, 40 alunos.

Não há garantia, porém, que esse redimensionamento resultará na volta das mais de 2 mil turmas extintas em relação a 2014 uma das principais demandas dos educadores.

Além disso, novos professores serão contratados. Serão convocados, segundo Sciarra, 5.985 professores e pedagogos aprovados no último concurso – cerca de 5,5 mil anunciados ainda no fim de janeiro e mais 463 requisitados durante as negociações da greve pela APP-Sindicato como necessários.

Mesmo assim, ainda será preciso contratar mais professores temporários (PSS). O número exato não foi passado pelo governo estadual. A APP estima que o número necessário seja de 10 mil professores.

Também foi acordado que cerca de 300 escolas que funcionam em três turnos também terão diretores auxiliares.

Durante o encontro também ficou estabelecido que os projetos de contraturno escolar, como os cursos de línguas do Celem e o programa Mais Educação, voltarão imediatamente.

O líder do governo na Assembleia Legislativa, Luiz Claudio Romanelli, disse que o governo estadual liberará duas parcelas adicionais do fundo de custeio das escolas, num total de R$ 8 milhões, para compensar os repasses que deixaram de ser feitos entre novembro e dezembro do ano passado.

As progressões e promoções de funcionários e professores da área serão retomadas entre maio e junho, respectivamente. Mas aquelas atrasadas, estimadas em um total de R$ 90 milhões pela APP-Sindicato, não têm data para ocorrer.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.