i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
PARALISAÇÃO

Greve: Beto Richa critica sindicatos e jornalistas que “querem fazer do Paraná um Haiti”

Durante cerimônia de anúncio recursos para a saúde do estado, o governador se mostrou irritado com sindicatos das categorias que entraram em greve nesta segunda-feira

  • PorRaphael Marchiori
  • [17/10/2016] [14:47]
Governador Beto Richa recebeu, nesta segunda-feira (17), o ministro da Saúde, Ricardo Barros | Jonathan Campos/Gazeta do Povo
Governador Beto Richa recebeu, nesta segunda-feira (17), o ministro da Saúde, Ricardo Barros| Foto: Jonathan Campos/Gazeta do Povo

O governador Beto Richa participou, na manhã desta segunda-feira (17), de um evento para celebrar o aporte de recursos do Ministério da Saúde no Paraná. Em seu discurso, entretanto, Richa acabou criticando a atuação dos sindicatos que representam as categorias em greve no estado e sobrou também para a atuação da imprensa. Segundo Richa, há jornalistas que querem fazer do Paraná um “Haiti”.

“O Paraná foi o único estado do Brasil a pagar o reajuste neste ano e não foi pouco. Pagamos 10,67%. E tem sindicatos que ainda instigam suas categorias. Se fazem isso aqui [No Paraná, onde parte do reajuste foi pago], imagina o que fariam em outros estados. Matariam os governadores?”, indagou o governador.

Ano letivo de 2016 das escolas ocupadas só vai terminar em fevereiro, diz governo

Leia a matéria completa

Os professores do estado entraram em greve nesta segunda por tempo indeterminado. Eles reivindicam o cumprimento do acordo celebrado no ano passado para por fim a greve de então que já durava 44 dias. Naquela ocasião, o governo aprovou na Assembleia Legislativa um escalonamento do reajuste salarial do funcionalismo até 2017.

Pela legislação, em janeiro do ano que vem, seria paga aos servidores a inflação deste ano acrescida de 1%. Reportagem publicada na Gazeta do Povo já havia mostrado que a prioridade do executivo agora é zerar o passivo de progressões e promoções e postergar o reajuste do funcionalismo, que poderia ficar até mesmo para 2018.

Em seu discurso nesta manhã, Richa culpou a crise nacional para não honrar o acordo de março do ano passado. “Fomos inseridos neste contexto de má gestão e corrupção que quebraram o nosso país. Mas o Brasil agora vive um novo momento a partir do governo Temer e com esta parceria e respeito que passa a existir com o Paraná”.

No discurso de Richa, também sobrou para a imprensa. “Não quero brigar com a imprensa porque têm muitos aqui do Paraná que não fazem daqui um Haiti”. A menção à imprensa apareceu fora de contexto no discurso. Como Richa não concedeu entrevista coletiva, não foi possível questioná-lo sobre o que o motivou a fazer tal comentário.

Investimentos

As declarações de Beto Richa foram dadas durante a solenidade de apresentação de um aporte de recursos do Ministério da Saúde no Paraná. Serão mais R$ 54,5 milhões anuais para Unidades de Pronto Atendimento (UPAS), Santa Casas e entidades filantrópicas.

Parte desses novos recursos, segundo o ministério, irá custear nove UPAs que já estão em funcionamento no estado (R$ 15,4 milhões), nos municípios de Arapongas, Francisco Beltrão, Guaíra, Ibiporã, Londrina, Pinhais, Pato Branco, Ponta Grossa e Telêmaco Borba. Além disso, R$ 39,1 milhões irão para a habilitação de 24 entidades filantrópicas, incluindo hospitais e Santas Casas e R$ 8,4 milhões em emendas a entidades assistenciais de saúde.

O investimento nas unidades filantrópicas faz parte de um pacote de aporte a 229 dessas unidades em todo o país, cujo total será de R$ 391,5 milhões anuais. Também estão sendo contempladas 81 UPAs em diferentes estados brasileiros, em um investimento total de R$ 145,3 milhões no orçamento do Ministério da Saúde.

O governo do estado também anunciou novos investimentos na área. De acordo com a assessoria da Secretaria Estadual da Saúde, o estado fará um investimento de R$ 5,1 milhões para aquisição de equipamentos de saúde destinados aos hospitais Santa Rita, em Maringá, e Angelina Caron, em Campina Grande do Sul.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.