i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Ensino superior

Greve da USP acaba após 57 dias

  • PorFolhapress
  • 30/06/2009 21:07

SÃO PAULO - Funcionários e docentes da Universidade de São Paulo (USP) decidiram ontem encerrar a greve, iniciada há 57 dias pelos servidores e que em 5 de junho ganhou a adesão de professores e estudantes. Os funcionários não conseguiram as principais reivindicações (reajuste de 16% e readmissão de um sindicalista). Conseguiram apenas melhorias periféricas, como aumento do vale-alimentação.

Nos últimos dias, a paralisação vinha perdendo força. A participação nas assembleias, por exemplo, caiu. No auge do movimento, logo após confronto com a polícia, 400 professores e 500 funcionários participaram das reuniões, em maio. Ontem, estavam presentes nas assembleias 120 professores (de um total de 5 mil) e 300 funcionários (de um total de 15 mil). Em ambas as reuniões, foram menos de cinco votos contrários ao fim da greve.

A direção do Sintusp (sindicato dos funcionários) defendeu a suspensão do protesto por entender que não teria mais pedidos contemplados e que poderia perder alguns dos pontos apresentados pela reitoria, como a não punição dos manifestantes nem corte do ponto pelos dias parados.

"Faltou um pouco de mobilização nas demais universidades [estaduais, Unesp e Unicamp]’’, avalia Magno de Carvalho, diretor do sindicato – parte das reivindicações era unificada. "Mas houve vitórias: mostramos que falta democracia na USP e colocamos o ensino a distância no debate."

Os grevistas pediam eleição direta para reitor e fim dos cursos a distância (cuja implantação foi adiada). Chegaram também a exigir a renúncia da reitora Suely Vilela, o que não ocorreu.

A reitoria ofereceu aumento de 6,05%, mesmo percentual apresentado desde a primeira reunião, em maio. O reajuste solicitado pelos funcionários foi considerado inviável.

Sobre a readmissão do sindicalista Claudionor Brandão, demitido por justa causa no fim do ano passado, a reitoria afirmou que o caso tem de ser apreciado pela Justiça.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.