i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Rede municipal de ensino

Greve de professores fecha 71% das escolas municipais, diz prefeitura

Estimativa é que 131 unidades estejam fechadas nesta segunda (17), enquanto 53 têm funcionamento total ou parcial. Passeata da categoria chegou à prefeitura e trânsito foi liberado no Centro Cívico

  • PorAntonio Senkovski e Brunno Brugnolo, especial para a Gazeta do Povo
  • 17/03/2014 05:55
Nas contas do sindicato, 2 mil pessoas participam do protesto dos professores na manhã desta segunda-feira | Jonathan Campos / Agência de Notícias Gazeta do Povo
Nas contas do sindicato, 2 mil pessoas participam do protesto dos professores na manhã desta segunda-feira| Foto: Jonathan Campos / Agência de Notícias Gazeta do Povo

Confira a previsão de paralisação ou assembleia de várias categorias:

17 de março (hoje)

• Educadores municipais de Curitiba.

• Servidores técnico-administrativos da UFPR, UTFPR e Hospital de Clínicas decidem entrar em greve a partir do dia 21 de março. Leia a matéria completa.

18 de março (terça-feira)

• Servidores estaduais da Saúde.

• Assembleia dos trabalhadores na limpeza pública de Curitiba.

19 de março (quarta-feira)

• Previsão de paralisação em todo o país nos serviços públicos de educação.

• No Paraná: educação e saúde, serviços judiciais, segurança, meio ambiente e agricultura, entre outros.

25 de março (terça-feira)

• Policiais civis do Paraná já aprovaram indicativo de greve com início neste dia.

26 de março (quarta-feira)

• Assembleia dos professores da rede federal de ensino.

  • Professores grevistas se concentraram na Praça Santos Andrade
  • Professores em frente a Prefeitura Municipal
  • A maioria dos professores estavam com a mesma camiseta, com apitos e balões

Os professores da rede municipal de ensino de Curitiba começaram uma greve por tempo indeterminado na manhã desta segunda-feira (17). O sindicato recomenda que os pais deixem os filhos em casa, mas a prefeitura garante que vai manter pelo menos o mínimo de pessoal necessário para não deixar nenhum aluno que for levado à escola desatendido. Segundo o balanço do poder público, divulgado no meio da manhã, o movimento fechou 131 escolas, enquanto 53 mantiveram atendimento total ou parcial.

O Sindicato dos Servidores do Magistério Municipal de Curitiba (Sismmac) informa que há três frentes principais que causaram a greve, aprovada em assembleia no último dia 27 de fevereiro. Os temas de debate são: a contratação de novos professores, o enquadramento dos atuais funcionários no novo plano de carreira proposto pela prefeitura de Curitiba e a jornada de trabalho das escolas de 6.º ao 9.º ano.

A Prefeitura de Curitiba defende que em nenhum momento fechou as portas à negociação e que a paralisação é feita em meio a um processo de discussão de novas propostas para a educação na cidade. Aliado a essa crítica, o órgão também disse que não é possível chamar o movimento, nesta segunda-feira, de greve, já que o dia de paralisação faz de uma proposta de um movimento nacional, puxado pela Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE).

O Sismmac, por sua vez, confirmou que o calendário da mobilização nacional da CNTE foi levado em consideração para definir a data de paralisação. Mas, segundo a entidade, o que acontece a partir desta segunda-feira é uma greve por tempo indeterminado, aprovada em assembleia no dia 27 de fevereiro.

Protesto e passeata até a prefeitura

Os professores em greve se reuniram nesta manhã na Praça Santos Andrade, em frente ao prédio histórico da Universidade Federal do Paraná (UFPR). Por volta das 10 horas, o grupo seguiu em passeata até o Centro Cívico, com itinerário seguindo pela Rua Marechal Deodoro da Fonseca, Avenida Marechal Floriano Peixoto, Praça Tiradentes, Rua Barão do Serro Azul e Avenida Cândido de Abreu. O destino final foi a Prefeitura de Curitiba.

Do alto do caminhão de som que puxava a passeata, o diretor do Sismmac, Rafael Alencar Furtado, disse que considerava a adesão à greve a "maior dos últimos dez anos" e criticou os diretores que teriam boicotado o movimento. "Parabéns aos diretores que vieram. A praça (Santos Andrade) está vestida de magistério. E uma vaia aos poucos que boicotaram a greve. Diretor também é professor", disse ele.

"Essa é a maior greve dos últimos dez anos na educação municipal. O (Gustavo) Fruet vai ter que nos ouvir", complementou, lembrando que o sindicato solicitou uma reunião com o prefeito Gustavo Fruet (PDT), mas que, pela manhã, não haveria confirmação se ela ocorreria.

Por volta das 11h30, a passeata chegou à Prefeitura de Curitiba e o trânsito foi liberado na região. As informações são da Secretaria Municipal de Trânsito (Setran), que acompanhou o movimento e que fechava temporariamente as ruas enquanto o grupo de professores passava.

A categoria pretende permanecer no local pelo menos até as 13 horas, em busca de uma reunião com o prefeito.

"Após a reunião (caso ela aconteça), iremos fazer uma assembleia lá mesmo em frente à prefeitura para comunicar aos professores o andamento das negociações. Se ele não nos receber, a greve continua por tempo indeterminado", disse a diretora do sindicato, Andressa Fochesatto.

Estimativas de público divergentes

A quantidade de pessoas envolvida no movimento dos professores foi estimada de forma divergente nesta segunda. Um guarda municipal presente na praça estimou o público em cerca de 2 mil pessoas. Segundo Andressa Fochesatto, diretora do Sismmac, a passeata deste ano foi bem maior do que a de 2012. "Acredito que mais de sete mil pessoas estão aqui", disse ela.

Procurada, a Guarda Municipal informou que estimou o público da passeata em mil pessoas.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.