Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Moradores da região do Tatuquara e do CIC sofrem com a fumaça originada no incêndio | Aniele Nascimento/Agência de Notícias Gazeta do Povo
Moradores da região do Tatuquara e do CIC sofrem com a fumaça originada no incêndio| Foto: Aniele Nascimento/Agência de Notícias Gazeta do Povo

Médicos temem pneumonia química

Os médicos Rodrigo Schurt e Alexandro Ziliotto, da US Moradias da Ordem, informaram à reportagem que não receberam nenhuma informação sobre o tipo de material que está queimando no depósito. Eles disseram que nesse exato momento não é tão importante saber, já que todos os atendimentos seguem um procedimento-padrão. Mas a partir de amanhã, segundo eles, esse dado será necessário para o melhor tratamento dos atingidos pela fumaça.

Uma fuligem preta começou a se acumular nas casas e poças de água da região. Os médicos alertam que a inalação deste material é perigoso e eles acreditam que pessoas vão comparecer nas unidades de saúde a partir desta quarta com sintomas de pneumonia química. Ambos alertam que os moradores da região que têm as casas afetadas pela fumaça e que insistem em ficar nas residências têm mais chance de desenvolver o problema.

  • Orientação é para os moradores da região deixam suas casas
  • Fumaça toma conta da região nesta terça-feira
  • Máscaras foram distribuídas na região nesta manhã
  • Equipes do Corpo de Bombeiros ainda trabalham no combate ao incêndio
  • A Defesa Civil está orientando algumas pessoas de áreas próximas a deixarem suas residências
  • Fumaça na região do Tatuquara/CIC
  • Combate ao fogo nesta terça-feira
  • Fogo na Electrolux nesta terça
  • Estragos ocasionados pelo incêndio no barracão
  • Previsão é que o combate ao fogo possa durar até dois dias
  • Registro do incêndio que atinge o depósito da fabricante de eletrodomésticos
  • Fogo causou fumaça que pôde ser vista de longe na manhã desta terça-feira (17)
  • Rodovia do Xisto ficou com o trânsito complicado devido ao incêndio
  • Dez equipes do Corpo de Bombeiros foram deslocadas para atender a ocorrência
  • Segundo os Bombeiros, fogo teria começado no centro do barracão e se alastrado
  • Combate ao fogo começou por volta das 4 horas da madrugada desta terça-feira (17)
  • Segundo os Bombeiros, não há registro de vítimas
  • Barracão fica na Cidade Industrial de Curitiba
  • Mesmo com a altura das chamas, a circulação em frente ao local pode ser feita pelas equipes
  • Altura da nuvem de fumaça impressiona
  • Bombeiros orientam a população que passa pelo local
  • Preocupação dos bombeiros é também com possíveis intoxicações na região, devido à fumaça
  • Incêndio na Electrolux na CIC

Equipes do Corpo de Bombeiros trabalham para extinguir um grande incêndio que atinge o depósito da fabricante de eletrodomésticos Electrolux, na Cidade Industrial de Curitiba. O fogo começou por volta das 4 horas da manhã desta terça-feira (17), mas já está confinado (isolado). Segundo os Bombeiros, isso significa que as chamas não vão se alastrar. A previsão é que o combate ao fogo possa durar até dois dias.

Veja fotos do incêndio no barracão

Equipes da Comissão de Segurança de Edificações e Imóveis (Cosedi) foram ao local e trabalham com outros órgãos para convencer as pessoas que moram nas redondezas para que deixem suas casas. Membros das Defesas Civis municipal e estadual também estão atuando na região. Durante um período houve inclusive a distribuição de máscaras aos moradores que são afetados pela fumaça. Este trabalho foi interrompido porque alguns deles ficaram resistentes a deixar o local depois que passaram a usar o equipamento.

A fumaça atinge uma área de mais de um quilômetro quadrado. Mesmo assim, muitas pessoas não querem deixar a região. O Ginásio de Esportes Santa Rita está aberto para receber famílias que tiveram casas afetadas pela fumaça. O abrigo fica em frente ao Centro de Referência de Assistência Social (CRAS) Santa Rita, na Rua Carlos Munhoz da Rocha, no Tatuquara.

Até o meio-dia, a Secretaria Municipal da Saúde registrou o atendimento de pelo menos 28 pessoas com problemas relacionados ao incêndio. Os pacientes, em sua maioria, apresentavam problemas respiratórios. Na Unidade de Saúde (US) Moradias da Ordem, seis adultos e quatro crianças foram atendidas e tiveram prescritas inalações, injeções e oxigênio. Dez pessoas receberam o mesmo atendimento no UPA 24 horas do Pinheirinho. Além disso, outras oito pessoas no Hospital Santa Cruz (os brigadistas da própria empresa).

Entre as pessoas atendidas estava a moradora da região Maria Eunice Rocha, que saiu da US Moradias da Ordem por volta das 11 horas. Ela relatou que tem problema de saúde e estava em sua casa, atrás do depósito, quando começou a ter queimação no nariz, não conseguia falar e estava com uma tosse seca. "Comecei a sentir arder os olhos e passei mal. Fiquei duas horas inalando oxigênio. Agora vou buscar meus filhos em casa".

Cíntia Alvez dos Santos, que mora bem ao lado do depósito, também teve problemas de saúde. Ela conta que acordou as 5h15 da manhã com o calor do fogo e escutou alguns estalos. Ela disse que decidiu ficar em casa até as 10h30 porque a fumaça estava alta. Depois, a fumaça baixou e ela e a filha passaram mal. A menina teve sangramento no nariz e precisou de atendimento.

Cíntia disse que os vizinhos acordaram de madrugada e começaram a molhar os telhados. Uma fuligem incandescente caía e eles ficaram com medo de que as casas de madeira pudessem pegar fogo. Durante esse período, segundo a mulher, foi possível ouvir barulho de paredes caindo e ferros sendo retorcidos.

Mesmo com a criação do abrigo, a maioria das pessoas está se organizando por conta própria para ir à casa de parentes ou igrejas da região. Dez ônibus percorrem as localidades próximas para retirar os moradores. Também há ônibus de voluntários ajudando nessa tarefa.

Os médicos que trabalham no local estão reiterando a necessidade das pessoas saírem de seus domicílios porque a maioria das famílias não percebe a gravidade da situação. Há casos de pessoas que se resistem em sair, mas, convencidas, acabam passando mal a caminho do posto de saúde.

A orientação repassada pelos profissionais é que as pessoas afetadas tomem banho por conta da fuligem que fica na pele.

Trânsito

A Secretaria Municipal de Trânsito (Setran) informou que o tráfego está completamente bloqueado na Rua João Lunardelli. A Rodovia do Xisto tem fluxo liberado, mas o trânsito é bastante lento na alça de acesso à estrada pela Avenida Juscelino Kubitscheck de Oliveira. O órgão orienta os motoristas a evitar a região.

O fluxo pelo Contorno Sul também é prejudicado em ambos os sentidos, com lentidão tanto para quem segue de Curitiba para São José dos Pinhais quanto para quem vai da capital sentido Campo Largo. Não há restrições ao tráfego e a lentidão maior é causada pela curiosidade dos que passam pela região.

O incêndio

Os Bombeiros informaram que o barracão era utilizado para o depósito de refrigeradores, com uma área total de 40 mil metros quadrados. O major Edson Manassés é coordenador do trabalho de combate ao incêndio. Ele informou que 40 homens do Corpo de Bombeiros e outros 10 da Defesa Civil estão mobilizados. Conforme o major, mais de 90% do prédio ficou destruído.

Manassés disse que a equipe de 12 brigadistas tentou apagar o incêndio no início e oito deles foram encaminhados para serem examinados no Hospital Santa Cruz. Eles se queixavam de fadiga e tinham sinais de leve intoxicação por fumaça.

O major informou que o fogo começou bem no meio do barracão e se espalhou para as outras áreas. As chamas não tinham mais risco de se espalharem para outras edificações da região. A previsão é de que o combate possa durar até dois dias.

Da porta do barracão, no início da tarde, era possível ver o fogo em pontos isolados do prédio como se fossem várias geladeiras uma do lado da outra. Manassés diz que a fumaça preta sai do local devido à queima das mantas de refrigeradores. O elemento químico presente na substância exalada é tóxica, segundo ele.

O Corpo de Bombeiros não pôde usar o reservatório de água da própria empresa porque a tubulação foi danificada. Os agentes utilizam a água de indústrias da vizinhança para controlar as chamas.

A corporação informou que o Certificado de Vistoria, necessário para o funcionamento da empresa no local, está em dia. A autorização de funcionamento concedida à Electrolux tem validade até o ano que vem. O prédio é antigo e por isso não tinha adequação às novas normas, que exigem a presença de pequenos chuveiros no teto e divisão em compartimentos para evitar a propagação do fogo. Mas os bombeiros salientam que a situação é regular pelo fato de a edificação ser antiga e estar sujeita às normas anteriores às vigentes para construções novas.

Electrolux

No começo da tarde, a Electrolux informou via assessoria de imprensa que atua em conjunto com os órgãos públicos responsáveis "para conter a situação e minimizar os impactos na região". A empresa informou que, "com os órgãos competentes, está disponibilizando unidades de saúde e assistência social." A organização responsável pelo depósito reforçou que a causa do acidente "está sendo apurada pela Electrolux juntamente com peritos especializados. Assim que tivermos mais detalhes sobre o fato, passaremos mais informações", finalizou a Electrolux em nota.

Incêndio destrói barracão

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]