i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Dia da Consciência Negra

Ipea lança livro que trata de desigualdade racial

  • PorG1/Globo.com
  • 20/11/2008 20:38

Em meio a uma avalanche de atividades culturais na cidade de São Paulo e demais regiões do País, em razão da comemoração do Dia da Consciência Negra e dos 313 anos da morte de Zumbi dos Palmares, o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) lançou o livro As Políticas Públicas e a Desigualdade Racial no Brasil 120 anos após a Abolição, de autoria de Mário Theodoro, Luciana Jaccoud, Rafael Guerreiro Osório e Sergei Soares. O lançamento oficial da obra foi feito hoje, em Brasília.

Prefaciado pelo presidente da entidade, Marcio Pochmann, mais que se permitir a prestar uma homenagem aos homens e mulheres, negros e brancos, que, de alguma forma, têm se esforçado na luta pela conquista da igualdade racial no Brasil, o livro se propõe a fazer um "alerta aos formuladores de políticas públicas bem como à sociedade em geral acerca da necessidade de se enfrentar a questão racial mediante o esforço de engendrar o debate franco e aberto sobre o tema, bem como a adoção de políticas públicas eficazes e abrangentes que afrontem o racismo e seus desdobramentos".

O livro retrata também as evoluções decorrentes de um contexto de debates realizados nas décadas de 1980 e 1990 sobre a discriminação racial no País. "A democracia racial ainda se colocava como um paradigma a ser questionado e se consolidar. A partir de meados dos anos 90, entretanto, os termos do debate se transformaram. Reconhecida a injustificável desigualdade racial que, ao longo do século, marca a trajetória dos grupos negros e brancos, assim como sua estabilidade ao correr do tempo, a discussão passa progressivamente a se concentrar nas iniciativas necessárias, em termos da ação pública, para o seu enfrentamento", afirma o texto.

Entre outras coisas, as mudanças que marcaram a questão racial nas décadas de 80 e 90 devem-se aos avanços das discussões e estudos sobre o tema iniciados nos anos 70, mas principalmente à crescente mobilização e atuação do movimento negro e de sua também crescente presença no espaço público, apresentando demandas e debatendo a necessidade de formulação de políticas públicas específicas e setoriais, que se deve à mudança observada

Diferença salarial

A despeito dos avanços decorrentes da atuação dos negros no combate à discriminação racial, muito ainda há por ser feito. Pesquisa divulgada nesta semana pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) e Fundação Seade mostram que os salários dos profissionais não-negros ainda representam o dobro em relação ao rendimento dos negros na Região Metropolitana de São Paulo. De acordo com as duas entidades, em 2007, o rendimento médio por hora dos negros era de R$ 4,36, contra R$ 7,98 dos não-negros.

Essa discrepância entre os salários dos negros e dos brancos no Brasil justifica, pelo menos em parte, o que afirma o jornalista e autor do livro Democracia Racial, do Discurso à Realidade, Vinicius Vieira, de que as políticas afirmativas não alteram a desigualdade racial. Ele cita como exemplo os Estados Unidos, onde depois de 40 anos de políticas afirmativas, construídas após a morte do pastor negro Martin Luther King, ainda é um dos países mais desiguais, senão o maior, entre as nações do mundo.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.