i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
16 anos depois

Jovem que ficou tetraplégico ao pular em piscina será indenizado

Acidente ocorreu na em associação de empregados da Caixa Econômica (Apcef-PR), em 1998

  • Pornaiady piva, especial para a gazeta do povo
  • [03/09/2014] [11:47]

Uma decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ) deu - 16 anos depois - a Denis Hattori Matias e à sua família direito a uma indenização de R$ 120 mil. Hattori sofreu um acidente que o deixou tetraplégico, na piscina da Associação do Pessoal da Caixa Econômica Federal no Paraná (Apcef-PR), em 1998. A Associação, a princípio, foi considerada responsável pela falta de sinalização no local. Cabe recurso, conforme confirmaram a defesa e a acusação no processo.

Então com 17 anos e estudante do colégio da Polícia Militar, Denis visitava o clube, em 1998, quando saltou de um piscina de 1,30 metro de profundidade. Hattori tem 1,90 metro de altura. Após se ferir, o rapaz acabou perdendo os movimentos dos membros inferiores e superiores.

Na avaliação da advogada de defesa, Karine Kloster, a culpa da associação está no fato de não haver funcionários prestando orientação ou socorro no local. A presença de "pedestais próprios para as chamadas piscinas olímpicas" teria levado o rapaz a achar que a profundidade seria própria para um mergulho, e a ausência de placas orientando os usuários sobre este descompasso seria um erro do clube, para a advogada.

A posição da defesa foi aceita em primeira instância, em 2007, e negada pelo Tribunal de Justiça do Paraná (TJ), em 2009. No STJ, o ministro João Otávio de Noronha entendeu que "não há dúvida" de que uma placa ou o alerta de um funcionário "poderia ter evitado o acidente", segundo informações da assessoria de imprensa. O acórdão ainda não foi publicado.

Outro lado

O presidente da Apcef-PR, Vilson Williman, reivindica a decisão do TJ, e diz que a associação vai recorrer do que foi definido na 3.ª Turma do STJ. "O garoto pulou verticalmente na piscina, um menino que sabia nadar", diz ele, que é da tese de que "a associação não contribuiu para isso".

Williman diz que sua entidade "sente muito pelo ocorrido", mas não compactua com a tese de culpa compartilhada.

Se condenada, a Apcef-PR terá que pagar R$ 60 mil para Denis, R$ 30 mil para cada um de seus genitores, além de metade dos gastos com saúde e pensão vitalícia para Denis, correspondente ao salário que receberia com oficial da Polícia Militar do Paraná, se tivesse seguido a carreira que trilhou na escola.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.