Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Vida e Cidadania
  3. Maior teatro de Londrina é consumido por incêndio

Ouro Verde

Maior teatro de Londrina é consumido por incêndio

Uma grande coluna de fumaça pode ser vista de vários pontos da cidade. Ouro Verde é um prédio tombado pelo Patrimônio Histórico Estadual

  • Fábio Luporini - Jornal de Londrina
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Um incêndio de grandes proporções destruiu na tarde deste domingo (12) o Teatro Ouro Verde, o maior de Londrina. No prédio, localizado no Calçadão da Avenida Paraná, no centro, sobrou apenas entulho, ferro retorcido, fumaça e cinzas. O Corpo de Bombeiros informou, por volta das 18h, que havia risco de desabamento da parede da frente, que apresenta várias rachaduras. Ninguém ficou ferido.

O incêndio causou apenas danos matérias. No prédio havia dois pianos, um deles alemão, com valor estimado em R$ 150 mil. Ambos foram destruídos. Um dos mezaninos desabou. A reitora da Universidade Estadual de Londrina (UEL), Nádina Moreno, esteve no local e disse que o que restou do prédio deve ser demolido. A reitora explicou ainda que a UEL investiu R$ 1,5 milhão na revisão da parte elétrica e hidráulica recentemente. Outros R$ 2 milhões foram investidos em equipamentos.

Segundo o tenente dos bombeiros, Rafael Galante, responsável pela operação, o Corpo de Bombeiros foi acionado quando o fogo já havia se alastrado. A fumaça do fogo que destruiu o teatro pôde ser vista de vários pontos da cidade. Uma multidão acompanhou os trabalhos dos bombeiros, que precisaram de quatro caminhões para debelar o fogo.

No momento do incêndio, um vigia estava no local e conseguiu retirar alguns documentos que estavam na secretaria. Não se sabem ainda as causas do incêndio.

Reforma

O palco do Teatro Ouro Verde estava passando por reformas desde o fim do ano passado. A previsão era que a troca do piso fosse terminada no fim deste mês. Não há informações sobre a relação da reforma com o incêndio.

O Ouro Verde é um prédio tombado pelo Patrimônio Histórico Estadual. O edifício, inaugurado em 1952, é de autoria do arquiteto Vilanova Artigas e faz parte de um conjunto arquitetônico, entre os quais o edifício Autolon.

Uma ópera, com tenores italianos, estava programada para o início de março, reinaugurando o palco. As autoridades da área de cultura irão tentar manter o espetáculo em outro espaço. O assunto deve ser discutido na reunião do secretariado municipal, na manhã desta segunda-feira, segundo o secretário de Cultura, Leonardo Ramos.

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE