Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
  • Ícone FelizÍcone InspiradoÍcone SurpresoÍcone IndiferenteÍcone TristeÍcone Indignado
Manifestantes do Movimento do Trabalhadores Sem Teto fizeram ato em São Paulo | Nacho Doce / Reuters
Manifestantes do Movimento do Trabalhadores Sem Teto fizeram ato em São Paulo| Foto: Nacho Doce / Reuters

Manifestantes bloquearam vias de grande movimentação em São Paulo na manhã desta quinta-feira (15), dando início a uma série de protestos contra a Copa do Mundo e cobrando melhores serviços públicos prevista para esta quinta-feira em diversas cidades do país.

Manifestantes ainda ocupam totalmente a Avenida Paulista, no sentido Consolação, no início da tarde desta quinta-feira, 15. O grupo chegou ao local por volta das 11h e se reuniu em frente ao prédio da Fiesp. De acordo com a Polícia Militar, cerca de 100 manifestantes participam do ato na Paulista. O protesto é realizado por funcionários de uma empresa privada que terceirizava serviço a um telecentro comunitário da Prefeitura de São Paulo.

O Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST) realizou na manhã desta quinta-feira, 15, cinco protestos na capital paulista. Os locais escolhidos foram Radial Leste, em frente ao Itaquerão; na Marginal Pinheiros perto da Ponte João Dias; na Marginal Tietê próximo à Ponte Estaiadinha; na Avenida Giovana Gronchi, perto do Shopping Jardim Sul; e na região da Ponte do Socorro.

Na zona leste, cerca de dois mil integrantes do MTST participaram nesta manhã de uma manifestação em Itaquera, na Radial Leste, próximo à Estação Corinthians-Itaquera e à Arena Corinthians (Itaquerão). Os manifestantes queimaram pneus e houve uma rápida tensão com um policial que tentou impedir a ação. Uma nuvem enorme de fumaça preta tomou a via enquanto os manifestantes gritavam "A Radial é nossa" e outras músicas a favor de moradias populares e contra a Copa do Mundo. Uma linha de policiais militares com escudo foi formada a cerca de 200 metros da concentração dos manifestantes, mas não houve confronto.

"Nosso objetivo não é chegar ao estádio para não haver provocação. Deixamos isso bem claro inclusive para a torcida organizada do Corinthians que veio nos procurar. Nosso objetivo é chamar atenção para as nossas reivindicações", explicou um dos líderes do MTST, Guilherme Boulous.

A interdição da Radial Leste, sentido centro, durou pouco mais de duas horas, até que os manifestantes marchassem de volta para a ocupação "Copa do Povo", próxima ao Parque do Carmo, de onde partiram por volta das 8h da manhã.

Manhã

Um grupo de manifestantes bloqueou com pneus queimados faixas da rodovia Anhanguera, na altura do limite entre São Paulo e Osasco, no sentido à capital paulista, no início da manhã. A via foi liberada em seguida.

No bairro de Itaquera, zona leste da capital, integrantes do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) se concentraram em um terreno ocupado a poucos quilômetros do estádio de abertura do Mundial e seguiram em marcha em direção à arena.

Um outro grupo de manifestantes carregando faixas contra empreiteiras responsáveis por obras da Copa do Mundo seguia em marcha pela Avenida das Nações Unidas, na zona sul da cidade, enquanto metalúrgicos em greve bloquearam um viaduto de acesso à Marginal Tietê e a importantes vias da capital paulista.

As manifestações do início da manhã em São Paulo ocorrem num dia em que grupos contrários à Copa do Mundo no Brasil e que defendem melhores serviços públicos prometem realizar protestos em diferentes cidades do país e até no exterior.

Em alusão ao Mundial, o MTST divulgou um manifesto com o nome "Copa sem povo, tô na rua de novo!", em que reivindica mais recursos para transporte, saúde e educação, demandas que também motivaram os protestos de junho do ano passado em que milhares de pessoas foram às ruas de diversas cidades do país.

Os protestos contra a realização da Copa do Mundo se somaram aos atrasos nas obras de estádios e infraestrutura entre os problemas do Brasil na organização do Mundial. Durante a Copa das Confederações do ano passado, torneio preparatório para o Mundial, houve confrontos entre manifestantes e a polícia nos arredores de arenas, inclusive deixando torcedores no meio da confusão.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros

Máximo de 700 caracteres [0]