i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
copa do mundo

Comitê do governo investiga cartel na venda de pacotes

O grupo é formado por representantes da Casa Civil, Secretaria de Aviação Civil (SAC), Ministério do Turismo, entre outros órgãos do governo

  • PorGabriel Azevedo, com informações da Folhapress
  • 26/10/2013 06:21

O governo federal ameaça acionar o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) e a Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon) para verificar se existe formação de cartel na venda de pacotes turísticos para o Mundial, o que limitaria a concorrência e elevaria os preços. A recomendação parte do Comitê Interministerial para o Acompanhamento de Preços, Tarifas e Qualidade de Serviços para a Copa do Mundo de 2014, criado para coibir abusos nos preços das passagens e das hospedagens dentro do país durante o evento. O grupo é formado por representantes da Casa Civil, Secretaria de Aviação Civil (SAC), Ministério do Turismo, entre outros órgãos do governo.

A empresa suíça Match Services tem exclusividade junto à Fifa para vender pacotes durante a Copa. O foco da companhia é vender hospedagens para turistas internacionais, que compram diárias em hotéis por meio dela, conforme o preço estabelecido pela entidade. Para verificar irregularidades, diz o governo, órgãos de defesa do consumidor e de proteção da concorrência irão cruzar a disponibilidade de quartos na rede hoteleira com a quantidade reservada pela Match em cada cidade-sede. Caso seja constatada formação de cartel, o governo estudará medidas para coibir a prática. Essa tarefa caberá ao Cade e à Senacon. "O governo dispõe dessas instâncias e que elas serão utilizadas se for necessário", diz ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann. "Estamos confiantes em relação ao diálogo com o setor privado. Ninguém quer ver o nome do país ou do próprio negócio como sinônimo de exploração e vantagens momentâneas", afirma.

Setor privado

Para o presidente da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis, Enrico Fermi, o comitê é eleitoreiro. "Qualquer pessoa com o mínimo de informação sobre os contratos assinados em 2007 entre a Match e 840 hotéis brasileiros saberia que não há abusos", diz. Na opinião dele, o governo brasileiro não tem como afirmar se uma tarifa está ou não acima do preço. "Eles não têm nenhuma ferramenta para medir isso. Vão comparar com o exterior? Pagamos a maior carga tributária do mundo. É isso que deveria ser monitorado e reduzido", afirma.

Alvo da próxima reunião, marcada para quinta-feira, as companhias aéreas têm uma opinião semelhante. Em nota, a Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear) explica que uma medida eficiente para diminuir os preços das passagens seria a redução dos custos do setor, cujas maiores pressões vêm da fórmula de precificação do combustível de aviação e dos impostos sobre ele.

Sobre a desoneração fiscal, a Gleisi afirma o que o governo está fazendo sua parte, mas lembra que existem limites. "O governo deu uma expressiva contribuição quando não aumentou as tarifas aeroviárias no final do ano e estamos tirando as tarifas aeroportuárias de aeroportos regionais". Sobre os hotéis, a ministra disse que o governo disponibilizou linhas financiamento expressivas. "Estamos contribuindo, mas temos limites", diz.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.