i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Transporte

Moradores de Mandaguari viajam à Curitiba pedir esclarecimentos sobre processo do Contorno Viário

Há mais de dez anos a população reinvidica obra para diminuir o fluxo de veículos na cidade

  • PorHélio Strassacapa
  • 05/03/2009 15:50
Em azul, trecho da PR-376 que corta Mandaguari. Moradores querem contorno para diminuir fluxo de veículos | Reprodução Google
Em azul, trecho da PR-376 que corta Mandaguari. Moradores querem contorno para diminuir fluxo de veículos| Foto: Reprodução Google

Representantes do "Movimento Pró-Desvio", que pede a construção de um contorno viário na cidade de Mandaguari, Noroeste do Estado, estiveram esta semana em Curitiba para pedindo esclarecimentos sobre o andamento do processo na Justiça que trava o início das obras. Eles foram recebidos na segunda-feira (2) pelo juiz Paulo Cristóvão de Araújo Silva Filho, da 3ª Vara Cível.

O processo em discussão foi movido pela concessionária de pedágio Viapar, administradora da PR-376, que corta Mandaguari, contra o Departamento de Estradas e Rodagens (DER). No processo, a Viapar alega que ainda não iniciou as obras porque a responsabilidade pela desapropriação das terras por onde o contorno vai passar é do DER. Originalmente, a desapropriação era responsabilidade da Viapar, mas durante o governo de Jaime Lerner, entre 2000 e 2002, o contrato de concessão recebeu alguns aditivos que transferiram a obrigação ao Estado. Agora, a Viapar exige que as cláusulas aditivas sejam cumpridas e o governo não admite a mudança no contrato.

De acordo com Evanir Stadler, um dos representantes dos moradores, o juiz foi muito solícito e informou que, neste momento, está esperando a Viapar entregar alguns documentos para serem incluídos no processo, a pedido do Governo Estadual. Contudo, não tem previsão de quando o assunto será julgado. "Colocamos nossa necessidade, explicamos que (na região) apenas a cidade de Mandaguari recebe todo esse trânsito", disse Stadler. O fluxo por dentro da cidade é de cerca de cinco mil veículos por dia.

Sociedade exige solução

Os moradores de Mandaguari entregaram ao juiz um dossiê que retrata o drama dos da população da cidade. Segundo Stadler, o juiz se compadeceu do caso e prometeu tratar do assunto com cuidado. O mesmo documento foi entregue a deputados estaduais e federais que representam a região. "Além de acidentes, os caminhões quebram dentro da cidade, derrubam óleo. Tem duas escolas no caminho", disse Stadler.

O problema é antigo e as manifestações da sociedade pela construção do desvio ocorrem desde 1997, quando começou a ser percebido um aumento no fluxo de carros e caminhões que passam pelo trecho urbano da rodovia. Segundo Antonio Teixeira Veloso Neto, presidente da Associação dos Amigos de Mandaguari (Adama), ONG que organiza os protestos, a promessa era de que a obra do contorno iria começar em 2007, com a previsão de entrega para 31 de dezembro de 2008. Mas até agora nada mudou.

Em 23 de outubro do ano passado, os moradores bloquearam o trânsito por uma hora como forma de protesto – o que causou muitos transtornos para quem viajava. Eles pretendem, para breve, parar o fluxo de carros novamente. "Mas dessa vez será por pelo menos três horas", disse Veloso Neto. "Não são só os moradores das ruas por onde a rodovia passa que estão pedindo. É a cidade toda. Se formos depender dos entraves da justiça para a construção, vamos esperar mais uns 20 anos", disse. Vinte e duas associações da cidade estão reunidas para preparar a nova paralisação.

O Ministério Público Estadual também está acompanhando o caso. O promotor da Comarca de Mandaguari, Ronaldo Costa Braga, informou que tem pedido ao Estado, ao DER e à Viapar explicações sobre a não realização da obra. Mas, segundo ele, enquanto a ação na 3ª Vara de Curitiba não for julgada, não existe nada a ser feito.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.