i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
polêmica

Moradores de Sarandi protestam contra recebimento do lixo de Maringá

Manifestação foi feita em frente ao aterro sanitário e reuniu cerca de 220 pessoas, incluindo o vice-prefeito e vereadores. Câmara pode vetar projeto

  • PorRenan Colombo
  • 20/07/2009 09:16

O aterro é particular e tem autorização para receber cerca de 80 toneladas de lixo por dia

Vereadores votarão emenda nesta terça

Os dez vereadores da Câmara Municipal de Sarandi votarão nesta terça-feira (21), em primeiro turno e sessão extraordinária, a proposta de emenda à Lei Orgânica do município que proíbe Sarandi de receber o lixo produzido em outros munícípios. A proposta voltará ao plenário no dia 31 deste mês, pois precisa ser aprovada em dois turnos.

Clique aqui para ler a matéria completa

Pelo menos 200 moradores de Sarandi realizaram um protesto na manhã desta segunda-feira (20) para repudiar a possibilidade de a cidade receber o lixo de Maringá. O protesto foi feito em frente ao aterro sanitário particular do município e teve a participação do vice-prefeito, Carlos Alberto de Paula Júnior, e do secretário de Meio Ambiente de Sarandi, José Luis de Almeida, já que a prefeitura de Sarandi é contrária à ideia. Também participaram vereadores, religiosos e lideranças comunitárias da cidade.

Na semana passada, a empresa coletora de lixo Central Regional de Tratamento de Resíduos Pajoan, de Sarandi, e secretários municipais de Maringá firmaram um acordo para Sarandi receber os resíduos sólidos urbanos de Maringá. Foi definido que o aterro, que fica na zona rural, poderia começar a receber os resíduos já nesta segunda, o que não aconteceu.

De acordo com Instituto Ambiental do Paraná (IAP), falta uma autorização do órgão para que o trabalho seja iniciado. O chefe regional do órgão, Paulino Mexia, informou que até o meio-dia desta segunda a licença não havia sido expedida. "O IAP tem pressa para resolver essa questão, mas surgiram alguns fatos novos nesta semana e precisamos rever alguns pontos", disse Mexia, sem dar mais detalhes.

Apesar da decisão tomada pelo município maringaense, como medida emergencial, o prefeito de Sarandi, Milton Martini, informou que não existe nenhum tipo de acordo entre as prefeituras e muito menos com a Pajoan ou o IAP para que o lixo seja depositado no aterro da cidade.

O aterro particular, que recebe 40 toneladas de lixo por dia da coleta de Sarandi, tem autorização para receber cerca de 80 toneladas de resíduos diariamente e a nova liberação seria para estender essa quantidade, pois Maringá gera cerca de 300 toneladas de lixo diariamente.

O custo para cada tonelada despejada no aterro particular é de R$ 74, o que geraria uma despesa de aproximadamente R$ 20 mil por dia.

Mais protesto

Depois do protesto em frente ao lixão, os manifestantes seguiram para o Fórum e então para a Câmara Municipal de Sarandi.

Os manifestantes haviam planejado outro protesto às 18h desta segunda-feira (20), quando o deputado federal Ricardo Barros (PP), que é da região, participaria de um encontro em uma escola profissionalizante da cidade, o que não ocorreu.

"Nós somos contra essa proposta porque estamos com medo de contaminar com a nossa água com esses resíduos. Além disso, se o lixo de Maringá vier pra cá, quem garante que o lixo de outras cidades também não vai ser trazido para cá?", afirma o presidente da União Sarandiense das Associações de Moradores (Unisam), Alfredo Peres de Souza.

Maringá não tem opção

Na semana passada, o secretário do Meio Ambiente de Maringá, Diniz Afonso, disse que a medida é emergencial e não há alternativa. No início de dezembro de 2008, a Justiça determinou, a pedido do Ministério Público, a paralisação imediata do despejo de lixo urbano no atual aterro da cidade de Maringá, situado na Gleba Ribeirão Pinguim , que não tem licença ambiental. De lá para cá, a prefeitura vem protelando a determinação. Uma liminar que ainda permite a utilização do aterro tem prazo para ser encerrada no dia 28 de outubro.

De acordo com Mexia, a transferência dos resíduos de Maringá para o aterro de Sarandi seria provisória. "No máximo dois meses, até que a prefeitura maringaense disponibilize um local adequado para tratar o próprio lixo já solicitado pela Justiça", disse na semana passada.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.