Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
A venda de soja, principalmente para a China, continua sendo a principal fonte de receita das exportadoras maringaenses Porto de Paranaguá é o principal local de saída dos produtos de Maringá | AE Notícias
A venda de soja, principalmente para a China, continua sendo a principal fonte de receita das exportadoras maringaenses Porto de Paranaguá é o principal local de saída dos produtos de Maringá| Foto: AE Notícias

Ranking estadual de exportações*

1) Paranaguá - US$ 3,8 bilhões (7º no nacional)

2) Maringá - US$ 1,7 bilhão (18º no nacional)

3) São José dos Pinhais - US$ 1,7 bilhão (19º no nacional)

4) Curitiba – US$ 1,3 bilhão (30º no nacional)

5) Ponta Grossa – US$ 820 milhões (48º no nacional)

Fonte: Secretaria de Comércio Exterior (Secex), do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior

* De janeiro a novembro de 2010

Como funciona o ranking

Os dados de exportação dos municípios são registrados pelos locais por onde a produção é escoada, como portos e aeroportos. A produção de cada cidade é identificada pelo CNPJ das empresas. Os dados são repassados para o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, que centraliza as informações e gera o ranking.

Restando poucos dias para o final do ano, as empresas de Maringá já comercializaram US$ 1,7 bilhão com o exterior - uma elevação de aproximadamente 110% em relação ao mesmo período do ano passado. Foi o que demonstrou o balanço divulgado nesta semana pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, referente a novembro. Até então, o melhor desempenho anual havia sido obtido em 2009, quando as vendas externas renderam US$ 891,6 milhões.

A venda de soja, principalmente para a China, continua sendo a principal fonte de receita. Somente os grãos da oleaginosa renderam US$ 791,8 milhões, o que corresponde a 44,6% de participação entre os produtos vendidos. Na sequência estão as vendas de açúcar bruto (US$ 455,6 milhões ), milho em grão (US$ 168,9 )bagaços e outros resíduos sólidos do óleo de soja (US$ 111,9 milhões); e álcool etílico (US$ 98,8 milhões).

Os maiores compradores dos produtos maringaenses são os países asiáticos, que juntos desembolsaram US$ 1 bilhão (59,7% das comercializações). Com os chineses, as vendas alcançaram US$ 635,7 milhões, seguido dos Coreia do Sul (com US$ 141,3 milhões) e Índia (US$ 64,1 milhões). Fora da Ásia, a Rússia (US$ 137,6 milhões) e a Argélia (US$ 66,4 milhões) são as principais parceiras.

Entre os blocos econômicos, boa parte dos negócios também foi feita com a União Europeia (US$ 194,9 milhões), a Europa Oriental (US$ 144,9 milhões),a África ( US$ 129,7 milhões), o Oriente Médio (US$ 94 milhões).

Segundo maior exportador do estado

Somente em novembro, as vendas externas de Maringá atingiram US$ 171,1 milhões. Com o desempenho, o município se consolida a frente de São José dos Pinhais, sendo o segundo maior exportador do estado, atrás apenas de Paranaguá. O melhor desempenho dos últimos anos ocorreu em agosto, quando as vendas para o mercado externo atingiram US$ 267,5 milhões.

Exportações paranaenses superam US$ 13 bilhões

Entre janeiro e novembro deste ano, as exportações do Paraná superaram a barreira de US$ 13 bilhões, alta de 25,14% na comparação com mesmo período do ano passado. Já as importações somaram cerca de US$ 12,7 bilhões, uma elevação de 48,41%. O saldo segue positivo em US$ 344 milhões para o Paraná,

Projeção apresentada pelo governo estadual prevê que o ritmo atual for mantido, o Estado deve voltar aos níveis pré-crise internacional, quando vendeu mais de US$ 15 bilhões em produtos para o exterior em 2008.

Segundo o secretário estadual da Indústria, do Comércio e Assuntos do Mercosul, Virgílio Moreira Filho, as exportações paranaenses até o momento já ultrapassaram com folga todo o ano de 2009, ano considerado crítico na economia mundial.

"Foram US$ 11,22 bilhões em vendas registradas ano passado, queda de 26,39% sobre 2008. Apesar do ritmo das importações estarem subindo este ano, o Paraná mostrou fôlego e diversos setores voltaram a crescer de modo expressivo", afirmou em entrevista para a Agência Estadual de Notícias (AEN).

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]