i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Meio Ambiente

Curitiba é a 5.ª grande cidade mais arborizada do Brasil

Censo 2010 do IBGE analisou municípios de mais de 1 milhão de habitantes. Goiânia, Campinas, Belo Horizonte e Porto Alegre estão à frente da capital paranaense

  • PorPollianna Milan
  • 25/05/2012 21:04
Osvaldo Navaro Alves, engenheiro(leia mais no primeiro quadro) | Antônio Costa/Gazeta do Povo
Osvaldo Navaro Alves, engenheiro(leia mais no primeiro quadro)| Foto: Antônio Costa/Gazeta do Povo

Capital tem paraísos preservados

Curitiba aparece no Censo Demográfico como uma das cidades mais arborizadas do Brasil e, apesar de os dados serem questionáveis, é inegável que a capital paranaense tem melhorado no quesito preservação ambiental. De 2000 para 2011, o número de metros quadrados de cobertura vegetal por habitante aumentou, de 51,5 m2 para 64,5 m2. A cidade também é pioneira na criação do que se chamou de Reserva Particular do Patrimônio Natural Municipal (RPPNM). Existem cinco delas na capital, e a última qualificada pertence ao engenheiro Osvaldo Navaro Alves (foto). "Moro há 35 anos aqui [Pilarzinho]. Me sinto mais saudável do que nunca", diz. Os donos de RPPNM recebem desconto ou isenção do IPTU e, se preservarem a área, podem ganhar potencial construtivo para vender. "O proprietário de áreas verdes precisa ter vantagens, porque senão acaba cortando", afirma Osvaldo. Incentivar a preservação de espaços particulares é importante também pois eles são mais representativos que as áreas públicas: 3% dos espaços verdes de Curitiba são públicos e 15% são particulares.

Campeãs

Goiânia e Belo Horizonte têm a melhor estruturas urbanas

Folhapress

Goiânia e Belo Horizonte têm as melhores estruturas urbanas entre os municípios com mais de 1 milhão de habitantes, segundo a pesquisa do IBGE. No outro extremo do ranking, Belém apresentou as piores condições no entorno dos domicílios, com 44,5% deles com a presença de esgoto a céu aberto e 10,4% com lixo acumulado nos logradouros.

A iluminação em todas as ruas é garantida em apenas 1,96% dos municípios brasileiros (109 dos 5.545), segundo a pesquisa. A maior parte deles está localizada no estado de São Paulo, seguido do Rio Grande do Sul e Minas Gerais. Os municípios brasileiros com todas as ruas asfaltadas são 0,59% (33), sendo que apenas 0,2% (11) têm todos os endereços identificados em placas e 0,07% (4) tem calçadas. Os estados que se destacam são São Paulo e Goiás.

4,7% das casas

têm rampa na quadra onde estão localizados. No entorno dos domicílios pobres, de renda de até um quarto do salário mínimo per capita, a proporção é de apenas 1% e chega a 12% nos domicílios com mais de dois salários mínimos per capita da renda. No Sul e Centro-Oeste, são 7,8% de residências com rampa para cadeirantes no quarteirão.

Fim da fama

Os dados do Censo 2010 tiram Curitiba do posto de Capital Ecológica?

Escreva para leitor@gazetadopovo.com.br

As cartas selecionadas serão publicadas na Coluna do Leitor.

As ruas mais bonitas do mundo têm uma fileira de árvores dos dois lados da rua que, por cima, revelam um corredor verde. A arborização, que normalmente é pré-requisito para tornar uma rua bela, é um dos aspectos positivos de Curitiba e de outras quatro cidades brasileiras. Goiânia, Campinas, Belo Horizonte, Porto Alegre e a capital paranaense estão, nesta ordem, entre as cidades – acima de um milhão de habitantes – mais arborizadas do Brasil, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a partir de dados do Censo Demográfico 2010: Características urbanísticas do entorno dos domicílios. Goiânia tem 89,5% de arborização e Curitiba tem 76,4%.

O Paraná tem uma média parecida com a de Curitiba: 77,1% do estado é arborizado – valor acima da média nacional (67,4%). Observando as cidades paranaenses, os dados também são expressivos: existem 146 municípios com 95% ou mais de arborização e apenas 68 que têm taxa de arborização de 0% a 60%. Para se chegar a esses resultados, os agentes censitários do IBGE observaram se existia uma árvore na rua (quadra) onde estava a residência e, se existisse, era assinalado que no entorno da casa havia arborização. É justamente esse critério usado pelo censo que é criticado pelos ambientalistas.

"Dizer que em 96% de Londrina há arborização é absurdo. Sabemos que há vários espaços sem árvores. Os números são muito discutíveis", afirma o ambientalista e colunista da Gazeta do Povo Efraim Rodrigues. No Paraná, sem levar em conta o número de habitantes por município, existem nove cidades que são 100% arborizadas (como Arapuã, Lobato, Guaporema e Miraselva). Em contrapartida, aparecem municípios como Tunas do Paraná e Campina do Sião que não têm nem 1% de arborização, o que quer dizer que não há árvores em praticamente todas as ruas.

Conservação

Pela primeira vez o censo trabalha com este critério, mas para o diretor da Sociedade de Pesquisa em Vida Selvagem (SPVS), Clóvis Borges, é preciso aprimorar o levantamento. "O fato de ter uma árvore perto de casa me permite falar sobre a qualidade de vida [sombra na rua], mas não da conservação da natureza", diz ele. A questão é que uma árvore sozinha não garante a biodiversidade, tampouco ter uma rua cheia de árvores da mesma espécie. "O ideal seria que pelo menos a rua tivesse várias espécies diferentes de árvores nativas", diz Borges.

Se as cidades fossem arborizadas como aponta o censo, diz Rodrigues, haveria outra situação de biodiversidade. "Haveria várias espécies de animais vivendo nas cidades e não apenas algumas", diz.

O arquiteto de ambientes urbanos Luiz Paulo Coelho Reis assinala que seria bom se houvesse árvores frutíferas e de várias outras espécies em um mesmo ambiente. E que na hora de decidir qual espécie plantar, que se pensasse na sustentabilidade: as árvores consomem carbono em período de crescimento. "Escolher as que mais crescem ajudaria o planeta", diz ele.

Saneamento12% da população vive em áreas com esgoto a céu aberto

Agência Estado

Pelo menos 18,5 milhões de pessoas – quase a população de Minas Gerais – vivem em áreas urbanas com esgoto a céu aberto diante de suas moradias. Elas representam 12% da população pesquisada pelo IBGE no levantamento sobre o entorno dos domicílios. Os números do Censo 2010 mostram que 11% das moradias em áreas urbanas estão próximas a valas ou córregos onde o esgoto domiciliar é despejado diretamente. São 5,1 milhões de residências.

Um quarto (24,9%) dos domicílios pobres, com renda per capita mensal de até um quarto do salário mínimo, está diante de esgoto a céu aberto, proporção de cai para apenas 3,8% nas moradias com renda superior a dois salários mínimos por pessoa. Um terço (32,2%) das moradias da Região Norte tem esgoto a céu aberto no entorno. A menor proporção, de 2,9%, está no Centro-Oeste.

Sem favelas

Os resultados seriam ainda piores se o levantamento incluísse todos os domicílios de favelas, mas a pesquisa excluiu as "áreas sem ordenamento urbano regular", equivalente à maior parte do território das favelas. Segundo o IBGE, foram analisados apenas os domicílios que estão em quadras ou quarteirões.

Os recenseadores encontraram 2,3 milhões de domicílios (5% do total), onde vivem 8 milhões de pessoas, com lixo acumulado na parte externa, na data da coleta de dados.

Bons índices

A iluminação pública é o item com melhores resultados na pesquisa e está no entorno de 96,3% dos domicílios de todo o país. A pavimentação também é bem avaliada, chegando a 81,7% das residências, ou seja, quase 20% dos domicílios urbanos brasileiros estão em ruas sem asfalto, paralelepípedo ou outro tipo de pavimentação.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.