i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Momento decisivo

Cúpula dos Povos é espaço para ativismo e descontentamento

  • PorDas agências
  • 12/06/2012 21:12
Povos tradicionais, como os indígenas, já começaram a chegar ao Rio de Janeiro | Christophe Simon/ AFP
Povos tradicionais, como os indígenas, já começaram a chegar ao Rio de Janeiro| Foto: Christophe Simon/ AFP

Proposta polêmica

Entidades industriais defendem usinas na região amazônica

Documento divulgado em conjunto pelas federações da indústria de São Paulo (Fiesp) e do Rio (Firjan) atribui aos países desenvolvidos a responsabilidade pelos danos ambientais causados ao pelas emissões de gases do efeito estufa. O documento afirma que as nações desenvolvidas têm de rever seus padrões de produção, sua matriz energética e assumir os custos. Para o presidente da Firjan, Eduardo Eugênio Gouvêa Vieira, ainda pesam sobre os países desenvolvidos o uso de matrizes energéticas altamente poluentes, como o petróleo e o carvão.

As entidades defenderam a geração de energia a partir de usinas hidrelétricas, mesmo que sejam construídas na região amazônica.

O texto sugere que é necessária uma nova governança mundial, para que a ONU possa avaliar os objetivos de desenvolvimento sustentável. Fiesp e Firjan defendem o princípio das "responsabilidades comuns, porém diferenciadas". Para as federações industriais, as nações desenvolvidas têm responsabilidade em adotar ações efetivas para a redução das emissões de gases de efeito estufa.

A sociedade civil buscará expressar seu descontentamento durante a Cúpula dos Povos, no Rio de Janeiro. Os organizadores esperam reunir 15 mil pessoas por dia no Parque do Flamengo, a partir de sexta-feira. "Sabemos que a conferência oficial Rio+20 patina. Como esperamos pouco progresso para que os países-membros se comprometam a reduzir suas emissões de CO2 e preservar melhor a biodiversidade, a Cúpula dos Povos será o espaço que a sociedade terá para expressar seu descontentamento", disse Bazileu Alves Margarido, do Instituto Democracia e Sustentabilidade.

A Cúpula dos Povos é uma iniciativa de 200 organizações ambientalistas e movimentos sociais do mundo inteiro. Grupos indígenas e de negros, mulheres e jovens devem ser presenças mais marcantes. O governo brasileiro investiu cerca de R$ 10 milhões no evento. Seiscentas atividades, entre debates, assembleias, manifestações e shows, acontecerão neste evento paralelo, cujo lema é "Venha reinventar o mundo!".

Exemplos

Duzentas experiências práticas, batizadas de "territórios do futuro" e já implantadas em diversos países, como aplicação de energia solar, também serão apresentadas ao público. "A Cúpula dos Povos será um espaço de denúncia, mas esperamos também articular os movimentos sociais em defesa da soberania dos povos e de seus territórios", explicou Rui Varres, porta-voz do Movimento dos Trabalhadores sem Terra (MST).

"Traremos para a sociedade as soluções que os povos já encontraram e lutam para implantar, e que são as boas armas contra esse capitalismo verde que busca, sobretudo, transformar a natureza em ativos financeiros negociados em bolsa", disse Varres. Várias manifestações serão realizadas durante esta reunião paralela, a mais importante em 20 de junho, dia de abertura da cúpula oficial da ONU. O protesto será antecedido por uma passeata de mulheres em 18 de junho, e por uma marcha contra o novo Código Florestal brasileiro. Na noite de 17 de junho, uma vigília inter-religiosa contra a intolerância acontecerá no Aterro do Flamengo. Segundo os organizadores, a Cúpula dos Povos também será uma oportunidade para se fazer um balanço dos progressos registrados desde a Cúpula da Terra, em 1992, no Rio de Janeiro, quando a sociedade civil foi excluída dos debates.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.