i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
agentes do bem

Melhoria do controle é o próximo passo

  • Por
  • 06/02/2010 21:04

O oficial do Programa em Prevenção ao Crime do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC) no Brasil, Nívio Caixeta do Nascimento, é esperançoso quanto à melhora da polícia brasileira. "Quando se analisa a história da instituição no mundo, percebe-se que as mudanças são gradativas. Não se altera uma corporação com cerca de 500 mil pessoas do dia para a noite." Ele acredita que a alteração na matriz curricular da formação dos policiais, feita pela Senasp, foi um grande passo e que agora é preciso melhorar o controle externo e interno. "As corregedorias em muitos estados são frágeis, há pouco pessoal qualificado para processar os casos e as investigações ocorrem depois que os desvios já aconteceram, não há prevenção."

Para Sílvia Ramos, coordenadora do Centro de Estudos de Segurança e Cidadania (CESeC) da Universidade Cândido Mendes, o caminho para contar com uma polícia de qualidade está na aproximação com a comunidade. "A rádio-patrulha, que chega ao local do crime depois que ele ocorreu, já está defasada. Precisamos de programas que punam aqueles que agem de forma violenta e são corruptos. Estas atitudes não podem ser premiadas."

O "contrato" da polícia com a sociedade também precisa ser claro. Hoje, a maior parte da população não sabe quais são os limites dos policiais e quando há um desrespeito da lei. Para o sociólogo Michel Misse, coordenador do Núcleo de Estudos da Cidadania, Conflito e Violência Urbana da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), essa transparência é necessária para mudar a forma como a população vê a instituição. "É necessário uma política única de segurança pública, que seja contínua e de longo prazo". (PC)

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.