i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Seguraça pública

Mesmo com reforços, crime ainda atua

  • PorFabiula Wurmeister, da sucursal
  • 24/09/2008 21:01

Foz do Iguaçu - Mesmo com o reforço de 200 policiais, empenhados em investigar a chacina de Guaíra, os traficantes de drogas e contrabandistas da região parecem continuar sua rotina na fronteira com o Paraguai. Em patrulhamento pelo Rio Paraná, em Foz do Iguaçu, agentes federais da Delegacia Especial de Polícia Marítima (Depom) prenderam ontem em flagrante dois homens e apreenderam um adolescente, todos paraguaios, no momento em que se aproximavam da margem brasileira. Eles estavam carregados de mercadorias contrabandeadas do Paraguai.

De acordo com a Polícia Federal, a operação de fiscalização era de rotina. Já nas primeiras horas de incursão pelo rio, os policiais identificaram cinco embarcações de madeira, já sem as mercadorias, no chamado Porto do Barba. Os suspeitos tentaram fugir, mas acabaram detidos.

"Temos aqui não apenas um problema de polícia, mas um grave problema social. Os principais estímulos são a proximidade com o Paraguai e o controle insuficiente, que torna a região um corredor de acesso livre ao ilícito", avalia o professor e sociólogo José Afonso de Oliveira.

Segundo o especialista, a onda de violência que culminou com a morte de 15 pessoas na tarde de segunda-feira em Guaíra é decorrência do aumento de fiscalização na região de Foz. E mais: poderia ter sido evitada. "Não podemos dizer que a morte de tantas pessoas de uma só vez era esperada. Mas a inclusão de cidades da região nos levantamentos de violência do país deveria servir de alerta para as autoridades", aponta Oliveira.

O delegado da Polícia Federal em Guaíra, Érico Saconato, discorda da Secretaria de Segurança e afirma que a chacina não foi um fato isolado. "Guaíra foi apontada como uma das cidades mais violentas do estado, segundo pesquisas recentes. Isso está diretamente relacionado ao aumento do tráfico e do contrabando." O delegado também afirma que falta maior presença do estado na cidade. "A instalação de uma Vara da Justiça Federal aqui é fundamental", diz ele.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

    Fim dos comentários.