Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
  • Ícone FelizÍcone InspiradoÍcone SurpresoÍcone IndiferenteÍcone TristeÍcone Indignado
Vídeo foi feito por aluno da escola estadual Erasmo Dias, em São Luís (MA).
Vídeo foi feito por aluno da escola estadual Erasmo Dias, em São Luís (MA).| Foto: Reprodução

Alunos do Colégio Estadual Erasmo Dias, localizada em São Luís, capital do Maranhão, foram assediados por militantes da União da Juventude Socialista (UJS) a votarem contra o presidente da República Jair Bolsonaro (PL), que tentará a reeleição neste ano. Foi uma ação de ativismo para persuadir jovens que já têm 16 anos ou que completarão a idade de voto até o primeiro turno das eleições a se posicionar contra Bolsonaro.

>> Faça parte do canal de Vida e Cidadania no Telegram

Os ativistas entregaram aos alunos materiais impressos e adesivos com críticas ao presidente. Os estudantes foram convidados a fixar em seus uniformes adesivos com frases como “Fora Bolsonaro” e “Tire o título, tire Bolsonaro”, além de logotipos da UJS e outras referências a bandeiras defendidas pelo grupo.

Segundo relato de um aluno que gravou o momento em que os estudantes da escola haviam acabado de receber os materiais (veja o vídeo), os ativistas chegaram a entrar dentro da sala de aula para abordar os adolescentes.

Em postagem recente nas redes sociais, o núcleo maranhense do movimento publicou uma foto dentro de outra escola estadual com a legenda: “A todo vapor nas escolas do Maranhão inteiro. Hoje a nossa turma esteve mais uma vez passando nas escolas conscientizando o jovem de votar e organizando a emissão de títulos. Bora que só assim Bolsonaro cai”.

As ações fazem parte de uma campanha criada pelo movimento na qual ativistas percorrem escolas em todo o Brasil para assediar os alunos. Os militantes alegam estar apenas explicando sobre a importância do voto, e, como consequência, apenas em parte dos casos a direção das escolas nega sua entrada.

A reportagem não conseguiu contato com a direção da escola Erasmo Dias. Já a secretaria estadual de Educação do Maranhão enviou a seguinte nota à Gazeta do Povo: “A Secretaria de Estado da Educação (Seduc) esclarece que a distribuição de botons em escolas da Rede não faz parte da política educacional do órgão. Ressalta, ainda, que ações educativas de incentivo à emissão de títulos são realizadas por organismos externos, como Justiça Eleitoral e entidades representativas dos estudantes, sem relação com a Seduc”.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros

Máximo de 700 caracteres [0]