i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Saúde

Ministério erra ao listar Porto Amazonas

  • PorKatia Brembatti, da sucursal
  • 07/12/2008 21:04

Para o Ministério da Saúde, a cidade de Porto Amazonas não conta com nenhum tipo de atendimento médico. Levantamento divulgado aponta que o município dos Campos Gerais, com 4,2 mil moradores, está entre os 33 no Paraná e os 455 do Brasil que não têm médico. A pesquisa foi feita com base no Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (Scnes), que apontou quais as localidades, em tese, não tinham médico inscrito. Mas não é o caso de Porto Amazonas. A cidade tem até hospital, onde seis profissionais se revezam no atendimento. Há ainda um concursado pela prefeitura e outro do programa Saúde da Família. Um deles mora no município.

Como Porto Amazonas fica a apenas 45 minutos de viagem, por rodovias bem asfaltadas, de Ponta Grossa ou de Curitiba, a pequena cidade não tem dificuldade de conseguir médicos que atendam à população local. Assim, a prefeitura não oferece altos salários. Os valores oscilam entre R$ 2 mil e R$ 5 mil. A prefeitura gasta em saúde muito mais do que manda a lei. Ao invés do mínimo de 15% do orçamento, a administração chegou a gastar 27%. Boa parte do recurso vai para custear as despesas com transporte. Cerca de 400 pessoas são levadas todos os meses para atendimento em outras cidades.

De 1993 a 1996, o hospital ficou fechado e, no período, nenhuma criança nasceu porto-amazonense. Mas a unidade foi reaberta e, desde então, o cadastro de profissionais é mantido atualizado. Na cidade, ninguém sabe explicar como é que a cidade foi parar na lista daquelas que não contam com atendimento médico. No Ministério, a equipe responsável pela pesquisa reconheceu que pode ter acontecido o que chamou de "inconsistência". Em consulta ao Scnes, a reportagem confirmou que existem médicos em mais da metade das cidades supostamente desassistidas e que há seis médicos cadastrados em Porto Amazonas. Jiris Rezende Abou Rejaile atende no Hospital e Maternidade Menino Jesus há mais de três anos e está, há igual tempo, registrado no Scnes. "Existo, sim, e atendo muita gente", diz.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.