i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
seguindo a lei

Ministro da Saúde defende lei contra o aborto, que exclui microcefalia

Declaração foi feita depois de a ONU defender a descriminalização do aborto em meio à epidemia de zika

    • TERESINA
    • Folhapress
    • 09/02/2016 18:20
     | José Cruz/ Agência Brasil/Fotos Públicas
    | Foto: José Cruz/ Agência Brasil/Fotos Públicas

    Após a Organização das Nações Unidas (ONU) defender a descriminalização do aborto em meio à epidemia de zika, o ministro da Saúde, Marcelo Castro, afirmou nesta terça-feira (9), em Teresina, que o ministério seguirá o que determina a legislação brasileira.

    Castro lembrou que a interrupção da gravidez não é permitida por lei em casos de microcefalia – má-formação do cérebro do bebê relacionada ao vírus da zika.

    “A posição do Ministério da Saúde é inequívoca, é a posição em defesa da lei. Somos agentes públicos e não podemos ter outra defesa que não seja a defesa estrita da lei. A legislação brasileira só permite aborto em três situações, que não inclui essa daí [microcefalia]”, afirmou o ministro em entrevista ao vivo à TV Cidade Verde, afiliada do SBT no Piauí.

    Leia tudo sobre o Aedes aegypti, mosquito que transmite a dengue, o zika e a chikungunya

    A legislação brasileira permite o aborto em três casos: gravidez resultante de estupro, quando há risco de morte para a mãe e de fetos com anencefalia.

    Na semana passada, após a declaração da ONU, a Confederação Brasileira dos Bispos do Brasil (CNBB) lançou uma nota na qual critica a proposta de descriminalizar o aborto para casos de microcefalia, considerada pela entidade um “total desrespeito à vida”.

    Impeachment

    Na entrevista, Marcelo Castro negou que deixará o ministério para reforçar a bancada contra o impeachment da presidente Dilma Rousseff, que deve entrar em pauta com a volta do Congresso ao trabalho.

    “Esse assunto não foi discutido em profundidade. É assunto fora de pauta”, disse. “Na Câmara, como todos sabem, tem um PMDB que apoia Dilma, e eu me incluo nessa ala, e tem um grupo contrário à presidente, alguns radicais a favor do impeachment... O assunto perdeu força completamente, saiu do noticiário, praticamente não se fala mais nisso, eu acho que está mais próximo de ‘já morreu’ do que está vivo”, disse.

    O ministro afirmou ainda que atua em parceria com o governo dos Estados Unidos para produzir uma vacina contra o zika, que deverá estar pronta em três anos. Castro pediu a mobilização da população para combater o mosquito Aedes aegypti, transmissor da doença, da dengue e da chikungunya.

    “Peço que a população dedique 15 minutos por semana, não é muito, a fazer uma vistoria em casa para eliminar o mosquito Aedes aegypti”, disse Castro.

    Ele citou a cidade de Água Branca, no interior do Piauí, como exemplo de combate ao mosquito. A população do município adotou um “selo verde” para casas sem foco do mosquito e um “selo vermelho” para residências nas quais foram encontradas larvas do Aedes.

    O ministro afirmou ainda que a “epidemia de microcefalia” é o principal problema do Brasil. “Nós do Ministério da Saúde entendemos que o problema número um hoje, se numerássemos 100 problemas no Brasil, no nosso entendimento é a epidemia de microcefalia que estamos vivendo. E não faltarão recursos.”

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.