Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...

A Coordenadoria Estadual de Defesa Civil do Paraná informa que as nove cidades da Região Metropolitana de Curitiba (RMC) atingidas pelas chuvas no fim de semana já voltaram à normalidade. Na manhã desta quinta-feira (4) todas as pessoas que ficaram desabrigadas e desalojadas por causa dos temporais haviam voltado para as casas. Em Campo Magro, no entanto, a PR-090 (Estrada do Cerne) continua com alguns pontos em meia pista nos kms 15, 27 e 35.

No Norte do estado, os trabalhos continuam em Sengés. Aproximadamente 85% do fornecimento de água já foi restabelecido e 95% da energia elétrica religada. Na mesma região, a cidade de São José da Boa Vista decretou situação de emergência, após ser feita a conclusão da avaliação dos danos causados pelas chuvas.

De acordo com o tenente da Defesa Civil Jorge Augusto Ramos, o principal problema agora é o restabelecimento dos acessos às cidades. Aproximadamente 100 pontes e galerias pluviais foram afetadas na região de Jaguariaíva e Sengés, nas rodovias PR-151 e PR-239. "A estradas secundárias e os acessos ao interior também têm problemas. A principal questão agora é restabelecer o fluxo das vias", disse Ramos ao site da Defesa Civil.

Os dados apontam que 28 cidades paranaenses tiveram prejuízos causados pela chuva entre os dias 29 e 30 de janeiro. O levantamento feito pela Defesa Civil afirma que até a tarde de quarta-feira (3) aproximadamente 34 mil pessoas tinham sido afetadas. Destas, 1.007 ficaram desabrigadas e 3.160 desalojadas.

As cidades que foram afetadas pelas chuvas são: Almirante Tamandaré, Arapoti, Araucária, Bocaiúva do Sul, Campina Grande do Sul, Campo Largo, Campo Magro, Colombo, Doutor Ulisses, Guarapuava, Ibaiti, Ibiporã, Jaboti, Jaguariaíva, Pinhalão, Pinhais, Piraquara, Ponta Grossa, São José da Boa Vista, Sapopema, Sengés, Tomazina, Wenceslau Braz, São Jerônimo da Serra, Siqueira Campos, Paranacity, Ortigueira e Santo Antônio da Platina.

Estradas

Apesar de o tempo estar bom em todo o estado, com sol forte em todas as regiões, as consequências das chuvas fortes do último fim de semana ainda são sentidas por motoristas que cruzam o estado. Várias rodovias ainda têm interdições de modo parcial ou total. Em Colombo, a BR-476 (Estrada da Ribeira) segue completamente interditada no km 107, em razão de afundamento de pista e deslizamento. Não há previsão de liberação. Um desvio é feito por estradas rurais na região.

Confira outros pontos com problemas, segundo levantamento da Polícia Rodoviária Estadual (PRE):

PR-323, km 323 (Cafezal do Sul-PR a Perobal-PR) – erosão na pista – meia pista interditada;

PR-151, km 182 (Jaguariaíva-PR a Sengés-PR) – queda de pista – totalmente interditada;

PR-239, km 8 (Sengés-PR a Itararé-SP) – queda de pista – totalmente interditada;

PR-239, km 46 (Arapoti-PR a Ventania-PR) – queda de barreira – totalmente interditada;

PR-239, km 52 (Arapoti-PR a Ventania-PR) – queda de pista – totalmente interditada;

PR-092, km 197 (Jaguariaíva-PR a Arapoti-PR) – cabeceira de ponte – meia pista interditada;

PR-323, km 335 (Cafezal do Sul-PR a Perobal-PR) – erosão na pista – meia pista interditada;

PR-090, km 27 (Bateias-PR a Bela Vista-PR) – queda de barreira – meia pista interditada;

PR-435, km 40 (Congoinhas-PR a Entrada da BR-153) – queda de barreira – meia pista interditada;

PR-272, km 55 (Tomazina-PR a Siqueira Campos-PR) – alagamento de pista – totalmente interditada;

PR-272, km 58 (Tomazina-PR a Siqueira Campos-PR) – alagamento de pista – totalmente interditada;

PR-272, km 0 (Santana do Itararé-PR a Itaporanga-SP) – alagamento de pista – totalmente interditada. Também pelo rompimento da cabeceira da Ponte do Rio Itararé;

PR-436, km 6 (Itambaracá a Bandeirantes) – aproximação das águas a Ponte – totalmente Interditada;

PR-218, km 63 (Entroncamento da BR-153 a Ribeirão do Pinhal) – pista alagada – totalmente interditada.

Liberada

Na manhã desta quinta-feira foi liberada a PR-439 no trecho entre Santo Antonio da Platina e Ribeirão do Pinhão. A pista está interditada por causa de alagamentos.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]