i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
saúde pública

Moradores de Cascavel evitam UPA mesmo após teste negativo de ebola

Souleymane Bah, 47, de Guiné, ainda passará por outro teste para confirmar os exames

  • PorFolhapress
  • 11/10/2014 10:12

"Foi descartado o caso de ebola. E com isso nossa Cascavel pode respirar mais aliviada", anunciava o locutor da rádio FM da cidade do oeste do Paraná, entre uma música de axé e outra sertaneja.

Os programas de TV local também traziam logo cedo a notícia sobre o resultado negativo do primeiro exame de Souleymane Bah, 47, de Guiné -o imigrante transferido ao Rio, ainda passará por outro teste.

Bah foi internado com a suspeita da doença na quinta-feira (9), em uma UPA (Unidade de Pronto-Atendimento) do bairro Brasília. O local ficou interditado até as 13h de sexta (10), quando reabriu para o público, mas desde então o movimento caiu muito.

Mas o exame negativo não tranquilizou a operadora de caixa Daniele da Rocha, 26. Com dores no braço após uma queda, ela preferiu neste sábado (11) evitar a UPA de Brasília, onde Bah foi atendido, e se deslocar até outra unidade mais afastada, a UPA do bairro Veneza, o que lhe custou 9 km a mais de viagem.

"Eu vi na TV hoje que deu negativo o exame dele. Mas o medo da gente é grande, preferi gastar mais gasolina e vir para cá", disse ela, que esperava na recepção da unidade. Desde sexta (10), com o outro posto fechado, o local ficou lotado de pacientes.

Numa cadeira próxima a Daniele, o pedreiro Pedro Donizeti da Silva, 37, também disse que preferiu evitar ir ao local onde Bah ficou isolado. "Aqui [bairro Veneza] fica mais longe pra mim, mas Deus me livre, não quero nem passar perto de lá", disse, aos risos.

Às 9h30, apenas seis pessoas aguardavam na recepção da UPA do Brasília, movimento aquém do esperado para o horário. "Se fosse um outro dia normal estaria lotado", disse a auxiliar de enfermagem Susi Cabrino.

A aposentada Otaliana Oliveira dos Santos, 68, se assustou ao ser informada, pela reportagem, que o caso suspeito de ebola havia sido atendido no local.

"Meu Deus. Eu me preocupo, porque essa doença não é daqui, vem de onde eles vieram", disse, referindo-se a estrangeiros oriundos de países africanos com surtos de ebola.

Em seguida, Otaliana estendeu a mão para o céu, agradecida, ao saber também que o primeiro teste da doença dera negativo.

"Não só a gente de Cascavel, mas todo o povo brasileiro, acredito, está aliviado com essa notícia", afirmou o aposentado Jaci Saran, 59.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.