i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
TRANSPORTE PÚBLICO

Motoristas cancelam greve de ônibus

Um aporte emergencial de R$ 3,8 milhões da prefeitura de Curitiba no Fundo de Urbanização será usado pelas empresas para pagar os salários atrasados dos trabalhadores

  • PorRaphael Marchiori
  • 07/01/2015 21:04
O aporte da prefeitura paga apenas parte da dívida com as empresas de transporte, calculada até ontem em R$ 9,5 milhões | Jonathan Campos/Gazeta do Povo
O aporte da prefeitura paga apenas parte da dívida com as empresas de transporte, calculada até ontem em R$ 9,5 milhões| Foto: Jonathan Campos/Gazeta do Povo

Reação

Comec diz que pagará débitos, mas que quer um novo acordo

Em nota, a Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba (Comec) disse que honrará as parcelas do acordo com a Urbs encerrado no último dia 31, mas que um novo acordo, para 2015, terá de considerar os resultados da pesquisa origem-destino que divulgou em novembro.

A Comec também voltou a cobrar da Urbs a revelação do saldo existente no Fundo de Urbanização de Curitiba (FUC), mas sem dizer que impacto esse dado teria na negociação do novo acordo.

Segundo Roberto Gregório, presidente da Urbs, a Comec formalizou esse pedido de informação em 10 de dezembro. "Ela [Comec] pediu a movimentação dos últimos 90 dias. Estamos levantamento as informações. Não é algo possível para o dia seguinte", justificou.

A greve de ônibus de Curitiba e região metropolitana prevista para ocorrer hoje não se confirmou. Mas o imbróglio formado em torno da integração do sistema de transporte público está longe de acabar. A diferença entre custos e receitas vem sendo coberta por subsídios públicos desde maio de 2012. Mas, assim como nos dois últimos anos, 2015 começou com uma disputa entre prefeitura de Curitiba e governo do estado, que quer diminuir sua parcela nessa conta.

A "primeira batalha" foi resolvida ontem pelo prefeito Gustavo Fruet, que anunciou no meio da tarde um depósito emergencial de R$ 3,8 milhões no Fundo de Urbanização de Curitiba (FUC). A verba será utilizada para quitar parte da dívida acumulada com as empresas de ônibus e, consequentemente, servirá para custear a folha de pagamento dos trabalhadores. Até ontem, o débito com os empresários era de R$ 9,478 milhões.

Coube ao presidente do Sindimoc, Anderson Teixeira, o ato final da disputa e a confirmação, em coletiva de imprensa realizada na Praça Rui Barbosa, de que a possibilidade de greve estava descartada. Mas avisou que a categoria protestará hoje e o alvo central será o governador Beto Richa.

"Ele [Richa] é o responsável pela instabilidade atual do serviço. Motoristas e cobradores não serão reféns dessa disputa", criticou Teixeira. Ainda não se sabe o horário e nem quantos trabalhadores estarão no ato. "Mas é certo que não faremos nada nos horários de pico", garantiu o sindicalista.

O redirecionamento do foco para Richa tem um motivo. Até ontem, o governo ainda não havia quitado R$ 16,7 milhões referentes às três ultimas parcelas do subsídio que cobre a diferença entre o valor pago pelo usuário metropolitano e o repassado às empresas. Atualmente, a tarifa integrada custa R$ 2,85 e o valor repassado às empresas por passageiro é de R$ 3,18. O atual convênio venceu no último dia 31.

O novo ingrediente do Palácio Iguaçu para diminuir o subsídio é a pesquisa origem-destino finalizada pela Comec no último mês de novembro. Segundo o órgão estadual, os resultados desse levantamento mostraram que o custo por passageiro metropolitano é menor do que o informado pela prefeitura de Curitiba. Isso diminuiria o aporte estadual.

Roberto Gregório, presidente da Urbs, entretanto, contesta essa informação. "As pesquisas são importantes para definir o tamanho do negócio, mas o resultado apresentado pela Comec não pode ser utilizado para discutir o subsídio. Até porque essa pesquisa teve uma metodologia inadequada e tem resultados questionáveis", disse. A principal critica é de que foram entrevistados apenas passageiros embarcados – limitando a pesquisa a quem já usa o ônibus.

Demanda

A pesquisa de origem-destino da Comec, realizada pela Fipe, indicou um custo por passageiro metropolitano de R$ 2,85. O órgão estadual, entretanto, ainda não mostrou a fórmula que o fez chegar nesse valor. Para a Urbs, esse custo é de R$ 4,07. Os R$ 3,18 repassados aos empresários veem de uma média que considera também passageiros embarcados e desembarcados em Curitiba.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.