Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...

São Paulo - Mais dois funcionários da linha de frente das obras da Estação Pinheiros do metrô de São Paulo podem ser denunciados à Justiça pelo desabamento da construção, que deixou sete mortos em janeiro de 2007. O promotor Arnaldo Hossepian pediu à Justiça, em caráter de urgência, que eles sejam ouvidos pela polícia.

Se houver indícios de participação, os funcionários podem se juntar às 13 pessoas já denunciadas pelo Ministério Público e que, a partir do acolhimento da denúncia pela Justiça hoje, são consideradas réus.

Fatos novos – não revelados pelo promotor – que vieram à tona ao longo desses quase dois anos de investigação motivaram o interesse de Hossepian no depoimento dos dois funcionários. Ele quer ouvir o coordenador de produção da Linha 4 pelo Consórcio Via Amarela, Celso Fonseca Rodrigues, e o funcionário do metrô Rogério Castilho. O depoimento, ainda sem data marcada, será conduzido pelo delegado Jorge Carlos Carrasco, da 3ª Seccional Oeste, e acompanhado pelo promotor.

Os 13 réus no processo que apura responsabilidades pelo colapso das obras responderão por homicídio culposo (sem intenção). São oito funcionários do Via Amarela, entre eles o diretor do consórcio, Fabio Gandolfo, e cinco do Metrô, incluindo o gerente de construção da Linha 4, Marco Antônio Buoncompagno. A pena para os crimes varia de 1 ano e 6 meses a 6 anos de reclusão.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]