i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
em frente ao incra

MST desmonta ocupação no centro de Curitiba

Acampamento de cerca de 1,5 mil integrantes do movimento estava na Rua Dr. Faivre desde segunda-feira (5)

  • PorAline Baroni, especial para a Gazeta do Povo
  • 07/09/2016 18:36
Acampamento sendo montado na última segunda-feira (5) | Jonathan Campos/Gazeta do Povo
Acampamento sendo montado na última segunda-feira (5)| Foto: Jonathan Campos/Gazeta do Povo

Os cerca de 1,5 mil integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) que ocupavam a Rua Dr. Faivre, no centro de Curitiba, em frente à sede do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), deixaram o local. Os barracos montados no meio da rua desde a manhã da última segunda-feira (5) não estão mais no local e o trânsito está liberado.

Não há, até o momento, informações sobre o horário em que isso ocorreu, motivação ou para onde os trabalhadores foram. A reportagem não conseguiu contatar a assessoria de imprensa do movimento.

No site oficial do MST já havia a previsão de que o acampamento poderia ser desfeito já nesta quarta-feira (7), feriado nacional do Dia da Independência, apesar de a pretensão inicial fosse ficar até sexta-feira (9). Uma assembleia para decidir os rumos do ato foi realizada na terça (6).

Os protestos fazem parte da Jornada Nacional de Lutas e acontecem em diversas cidades do país. Entre as pautas estavam a exigência da reforma agrária, o assentamento imediato de 120 mil famílias e a suspensão da decisão do Tribunal de Contas da União (TCU) de penalizar mais de 578 mil assentados no país por considerá-los irregulares. Além disso, eles pediam pelas restituições do Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária (Pronera) e do Programa Nacional de Alimentação Escolar (Pnae), bem como se posicionarem contrários ao governo de Michel Temer (PMDB), que assumiu a presidência da República na semana passada, após a saída de Dilma Rousseff (PT).

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.