Jenifer Pinheiro, mulher do alpinista Ulisses da Costa Cancela, de 36 anos, que morreu baleado no último sábado (9) após errar o trajeto e entrar por engano na favela Vila Sapê, em Duque de Caxias (Baixada Fluminense), prestou depoimento nesta quarta-feira (13) à Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense.

Ainda muito abalada, ela não teve condições de tentar reconhecer por foto os possíveis atiradores. Ao sair, falou rapidamente com a imprensa. “Não tinha como não gostar dele, ele só queria o bem de todo mundo. Foi uma fatalidade, eu não aguento mais viver isso. Agora estou aguardando a polícia, eles estão fazendo o trabalho deles, (quero) justiça para não ficar impune”, afirmou.

Ulisses, Jenifer e um casal de amigos, que também depôs ontem, seguiam no carro dele, um Ford Ka, do Rio para Petrópolis, cidade da região serrana em que moravam. O alpinista errou o caminho e entrou na favela, onde ocorria uma troca de tiros.

Ao ouvir os disparos, Ulisses pediu aos demais que se abaixassem e tentou sair de ré. Mas foi atingido na cabeça, perdeu o controle da direção e bateu com o carro em um muro.

Os outros passageiros não se feriram. O alpinista foi levado para um posto de saúde e depois transferido para o Hospital Estadual Adão Pereira Nunes, em Duque de Caxias, onde morreu por volta de 11 horas de domingo.

A Polícia Civil ainda não concluiu de onde partiu o tiro que matou Ulisses. O tiroteio confrontava traficantes inimigos.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]