i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Justiça

Mulher que envenenou criança é julgada

Promotores pedem 60 anos de prisão; defesa alega que moça agiu sob forte emoção

  • PorMaurício Borges, correspondente
  • 20/03/2009 21:05
Siumara chega, acompanhada da Polícia Militar, para seu julgamento: júri mobiliza população de Apucarana. | Maurício Borges/Gazeta do Povo
Siumara chega, acompanhada da Polícia Militar, para seu julgamento: júri mobiliza população de Apucarana.| Foto: Maurício Borges/Gazeta do Povo

A auxiliar de laboratório Siumara de Castro Santana, 27 anos, voltou a sentar no banco dos réus ontem, às 9 horas da manhã, no júri popular mais aguardado das últimas décadas em Apucarana, na Região Norte do estado. Ela é ré confessa pelo envenenamento e morte do garoto Gustavo Enrique Vogler Ribeiro, de 4 anos. Até o fechamento desta edição, os debates entre acusação e defesa prosseguiam. A previsão era de que o júri entraria pela madrugada.

A moça, que está presa desde a época do crime, mantinha um relacionamento extraconjulgal com o pai da criança, o fotógrafo Ronaldo Ribeiro, 30 anos. Ela admitiu ontem, durante seu depoimento aos promotores, que agiu sob forte emoção quando o pai da criança decidiu romper o namoro. Siumara ponderou que "desejava dar apenas um susto, e não matar a criança".

No dia 22 de outubro de 2004, ela mandou para o filho do ex-namorado, na sua escola, um achocolatado misturado com raticida. A criança tomou o lanche no recreio e agonizou por horas até morrer, no dia seguinte, num hospital da cidade. Na sua ira por vingança, Siumara também mandou entregar uma cesta com vários alimentos envenenados no local de trabalho da esposa do fotógrafo Ronaldo, Ivanira Vogler Ribeiro, que desconfiou do presente e não consumiu nada.

Ontem, pela primeira vez, durante seu depoimento, arrolado como testemunha de defesa, Ronaldo Ribeiro admitiu que manteve um romance extraconjugal com a auxiliar de laboratório. Ele disse que a conheceu numa formatura. Siumara disse que o namorado havia prometido largar a esposa para ficar com ela e que era frequentador assíduo de sua casa.

O Júri Popular, no Fórum Desembargador Clotário Portugal, em Apucarana, está sendo presidido pelo juiz João Gustavo Rodrigues Stolsis. Os promotores Eduardo Cabrini, Sérgio Salomão e Gustavo Marcel Fernandes Marinho pedem pena máxima para Siumara de Castro Santana, que pode chegar a 60 anos de reclusão por homicídio e tentativa de homicídio triplamente qualificados.

Os advogados de defesa alegam que Siumara não pretendia a morte de Gustavo Vogler Ribeiro e que, descontrolada, após o final de uma prolongada relação com o pai da criança, agiu sob forte emoção. O processo sobre o envenenamento e morte da criança, que tramitou por três anos na Vara Criminal da Comarca, contém 929 folhas em oito volumes. O julgamento havia sido adiado por três vezes, antes da sessão iniciada ontem.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.