i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Curitiba

Na última hora, Justiça evita volta de angolanos

  • PorSuelen Trevizan, especial para a Gazeta do Povo
  • 03/03/2009 21:09

Uma decisão do Tribunal de Justiça do Paraná evitou, na última hora, que um grupo de 11 deficientes visuais angolanos fosse obrigado a deixar o país. O mandado de segurança saiu apenas 10 horas antes do início da viagem de volta. Os jovens angolanos comemoraram a decisão, que permite a eles continuar os estudos em Curitiba.

O grupo veio para Curitiba em 2001. Todos os jovens são vítimas da guerra civil que assolou Angola, que matou cerca de 500 mil pessoas entre 1975 e 2002. Eles foram recebidos no Instituto dos Cegos do Paraná, formaram um coral e passaram a estudar no Brasil.

Agora, porém, a Fundação Eduardo dos Santos, que concedia a bolsa de estudos aos alunos, está pedindo que eles voltem a Angola. O Ministério Público do Paraná já havia conseguido uma liminar pedindo a permanência do grupo no país. Os garotos dizem que só querem voltar a seu país natal depois de concluir os estudos.

Na última sexta-feira, porém, a liminar que assegurava a permanência deles no Brasil foi cassada. O Ministério Público (MP) e o Instituto Paranaense de Cegos (IPC) entraram com um pedido de reconsideração no Tribunal da Justiça. A decisão, favorável ao grupo, saiu no início da noite de ontem.

Caso não conseguissem a autorização judicial, os garotos tinham passagem marcada hoje cedo para Angola. Um representante da fundação angolana veio a Curitiba para acompanhar a viagem de volta.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.