Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Dr. Sigmundo (à direita) vai dialogar com outros personagens | Felippe Aníbal/ Gazeta do Povo
Dr. Sigmundo (à direita) vai dialogar com outros personagens| Foto: Felippe Aníbal/ Gazeta do Povo

A prefeitura de Curitiba lançou, na manhã deste sábado (5), uma nova campanha de conscientização ambiental, cujo objetivo principal é reduzir a quantidade de lixo gerado na cidade. Para isso, o município aposta na capacidade comunicativa de um novo personagem: o Dr. Sigmundo, um psicanalista que dará dicas simples, para evitar o desperdício.

Hoje, a capital paranaense produz 1,8 mil toneladas de resíduos por dia: média de um quilo por morador. Além do que arrecada com a taxa de lixo, Curitiba gasta R$ 130 milhões por ano para garantir a destinação dos resíduos sólidos a aterros.

"Não tem sentido continuarmos nessa tendência de gerar tanto lixo. Estamos na contramão. Precisamos continuar focados na reciclagem e reduzir a utilização dos nossos aterros", disse o prefeito Gustavo Fruet (PDT).

Na campanha, Dr. Sigmundo é um psicanalista, que atende em seu consultório, pacientes como um pedaço de pão, uma família de vagens e uma garrafa de vidro. A partir da interação com os outros personagens, o especialista deixará mensagens, orientando a reduzir o desperdício e incentivando a reciclagem.

Entre os conselhos, está calcular a quantidade de comida necessária, antes de ir ao mercado. "Pães esquecidos no pacote sofrem de rejeição. Tratamento indicado: fazer uma torrada", sugere o terapeuta fictício, em uma das peças.

A partir de domingo (6), a campanha começa a ser veiculada, em comerciais na tevê, mídia impressa, mobiliário urbano e nos caminhões de coleta. A expectativa do secretário de Meio Ambiente, Renato Lima, é de que o novo personagem exerça um impacto pedagógico, principalmente sobre as crianças.

"As crianças são parte central desta campanha. Para continuarmos no caminho da sustentabilidade, precisamos reduzir a quantidade de lixo produzido", avaliou.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]