i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
saúde

O que os bancos de sangue não contam sobre as doações

Descubra como são os bastidores da doação de sangue e as curiosidades que podem fazer a diferença para quem precisa doar ou receber

  • PorLuan Galani
  • [14/02/2015] [21:07]
Em média, 19 doações de sangue acontecem por hora no Paraná | Roberto Custódio/Jornal de Londrina
Em média, 19 doações de sangue acontecem por hora no Paraná| Foto: Roberto Custódio/Jornal de Londrina

Impedimentos

-Resfriado;

-Gravidez, amamentação e pós-parto;

-Ingestão de bebidas alcoólicas nas 12 horas que antecedem a doação;

-Tatuagem feita nos últimos 12 meses;

-Uso de drogas ilícitas injetáveis;

-Pessoas com hepatite, aids, doenças associadas aos vírus HTLV I e II e Doença de Chagas;

-Jejum ou ingestão de comidas gordurosas nas últimas quatro horas antes da doação;

-Exercer ocupações, hobbies ou esportes que ofereçam risco para si ou para outros em pelo menos 12 horas após a doação.

Você já se perguntou o que acontece com a bolsa de sangue depois da coleta? Não basta apenas esfriar as doações e distribuir. Cada coleta vira operação quase de guerra, organizada e ágil, para garantir que em 24 horas o sangue doado possa ser distribuído.

Os números impressionam: o Paraná registra cerca de 12 mil coletas de sangue por mês, o equivalente a 19 doações por hora. Só em Curitiba, são aproximadamente 200 doações diárias de sangue. Os dados são do Centro de Hematologia e Hemoterapia do Paraná (Hemepar), que abastece 384 hospitais públicos no estado com hemácias, plaquetas e plasma.

A fim de identificar os anticorpos para garantir que os receptores recebam o tipo de sangue mais similar ao seu, sem doenças, é preciso fazer 120 mil análises de soro sanguíneo por mês no estado. Ou seja, para cada doação individual de aproximadamente 450 mililitros, são necessários pelo menos 10 exames iniciais para rotular o sangue coletado.

Sem falar nas 31 características sanguíneas hereditárias que precisam ser checadas em caso de doadoras gestantes, candidatos a cirurgias de transplantas ou pessoas que já receberam diversas transfusões de sangue, com o objetivo de evitar uma reação negativa do organismo. Ao todo são realizados até 19 baterias dessas por dia no Paraná.

Depois disso, o sangue é separado em grupos de hemácias, plaquetas e plasma, que são guardados em bolsas plásticas diferentes. A validade das hemácias é de até 42 dias a partir da coleta de sangue. As plaquetas podem ser utilizadas em até cinco dias e o plasma dura dois anos.

Pacientes com leucemia, outras doenças do sangue ou com grande hemorragia sempre precisam de plaquetas. Além das doações convencionais, existe uma modalidade chamada doação por aférese que coleta apenas plaquetas. Dessa forma, o número de plaquetas pode ser até dez vezes superior ao obtido nas doações normais. Para isso, a pessoa deve agendar sua ida a um banco de sangue e estar preparada para passar pelo menos uma hora e meia por lá. O doador é conectado a uma máquina e, conforme o sangue circula na pessoa, a máquina separa as plaquetas do restante do sangue. Depois de 48 horas, as plaquetas do doador voltam aos níveis considerados normais.

Doe para você

A prática pouco conhecida de coletar o próprio sangue para futura transfusão é chamada de doação autóloga. Sem limite de idade, o procedimento é mais comum antes de grandes cirurgias, explica o diretor-geral do Hemepar, Paulo Roberto Hatschbach, mas é preciso que o médico concorde com o procedimento.

Algumas contraindicações à doação autóloga são: insuficiência cardíaca descompensada, infarto do miocárdio nos últimos 6 meses, acidente vascular cerebral isquêmico nos últimos 6 meses e presença de infecção ativa ou tratamento antimicrobiano.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.