i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
operação quadro negro

Obra fraudada pela construtora Valor vira mocó e ponto de consumo de drogas

  • PorDiego Ribeiro e Albari Rosa
  • 17/01/2016 19:29
 | Albari Rosa / Gazeta do Povo
| Foto: Albari Rosa / Gazeta do Povo

As obras de construção do Colégio Estadual Jardim Paulista e do Colégio Estadual Ribeirão Grande, ambos em Campina Grande do Sul, na região metropolitana de Curitiba, deixaram de ser apenas questão educacional para a comunidade daquele município. A primeira transformou-se em um “mocó”, onde moradores de rua passam a noite, e também em ponto de consumo de droga. Na segunda, parte dos materiais de construção já sumiu. A reportagem da Gazeta do Povo foi até as duas unidades na quinta e sexta-feira da semana passada, quando constatou o abandono nas obras.

Veja detalhes dos contratos para a construção das duas escolas

Mais escolas, menos mocós

A construção da escola Jardim Paulista, em Campina Grande do Sul, virou mocó e ponto de consumo de drogas após a polícia e o Ministério Público descobrirem fraude nas medições de execuções de obras de dez escolas públicas do PR.

+ VÍDEOS

Grande parte dos recursos – cerca de R$ 9 milhões – das obras das duas escolas que, praticamente não “saíram do papel”, já foi repassado à construtora Valor, responsável pelas construções. A empresa é acusada pela Polícia Civil e pelo Ministério Público do Paraná de participar de um esquema de desvio de recursos destinados a dez obras de escolas estaduais. O esquema é investigado pela Operação Quadro Negro.

Segundo relatórios da 7.ª Inspetoria de Controle Externo do Tribunal de Contas (TC), no Colégio Jardim Paulista foi atestado o andamento de apenas 10,35% da obra, mas a Valor já recebeu R$ 2 milhões, referentes a quase 50% do total contratado. No Ribeirão Grande, o TC apontou que, embora a obra esteja em fase primária, a construtor já recebeu um terço do valor total do contrato, R$ 1,2 milhão.

Os gêmeos Patrique e Pablo, naquilo que deveria ser uma sala de aula, lamentam o mau uso do local atualmente: “A gente queria ver a escola aberta”.Albari Rosa/Gazeta do Povo

Aditivos

A obra do Colégio Ribeirão Grande, licitada por R$ 3 milhões, foi aditada em 4 de dezembro de 2014 em pouco mais de R$ 712 mil. Já a obra do Jardim Paulista, licitada por pouco mais de R$ 4, 2 milhões, foi aditada na mesma data em cerca de R$ 1 milhão.

Abandono

Na obra do Colégio Jardim Paulista, há poças, recipientes cheios de água, latas de cerveja amassadas e vestígios de consumo de droga. Confira mais fotos que mostram a situação de abandono das duas escolas. Nos dois dias em que a Gazeta esteve no local, os mesmos homens saíram, assim que perceberam a presença da reportagem. “A gente é ‘trecheiro’, senhor. Só ficamos aqui porque não temos para onde ir”, comentou um deles ao sair da obra, enquanto o outro fumava um baseado.

Obras paradas

Seis obras de escolas tocadas pela construtora Valor, incluindo as duas de Campina Grande do Sul, continuam suspensas por determinação do Tribunal de Contas do Estado (TC) para a verificação de supostas irregularidades. Relatórios da 7ª Inspetoria de Controle Externo do TC apontam para a prática de irregularidades como a execução inadequada dos processos licitatórios, fraude de documentos e pagamentos por serviços e aditivos não executados.

Vizinhos demonstraram indignação. “Finalmente alguém apareceu aqui para ver essa obra”, disse um deles. Os gêmeos Patrique e Pablo Araújo de Assis, de 13 anos, lamentam a situação. “A gente queria ver a escola aberta”, disse Pablo. Os dois chegaram a entrar nela e imaginar como seria ter aula numa das salas. Ali, porém, giz de cera espalhado no chão é o único símbolo escolar presente.

Responsabilidade

A Secretaria da Educação informou que a responsabilidade pela segurança e manutenção das obras é da Valor enquanto o contrato estiver vigente.

Sem opção, crianças da 5.ª série têm de estudar a 10 km de distância

A paralisação da obra do Colégio Estadual Ribeirão Grande, de responsabilidade da construtora Valor, provoca outro problema para Campina Grande do Sul, na Grande Curitiba . Estudantes que já chegaram à 5ª série precisam ser matriculadas em outra escola, que fica a quase dez quilômetros da comunidade. No local, há uma creche e outra escola que oferece vagas até a 4ª série.

“O povo aqui sofre e eles [os construtores e políticos] ficam numa boa”, disse o funcionário de uma empresa de reflorestamento, Abraão Alcântara, 23 anos. Ao lado dele estão duas primas, Tatieli Cardoso Bandeira e Evelin Nadine, ambas com 12 anos. Elas vão começar o calendário escolar no Colégio Estadual de Terra Boa, há 10 km de distância. “Queríamos estudar perto de casa”, disseram as duas.

A tia das meninas, Dirlei de Paula Bandeira, 32 anos, sintetizou a falta que a escola nova em Ribeirão Grande está fazendo: “Para mães como nós, seria ótimo ter um colégio aqui. Significa mais segurança. Quando a gente está trabalhando, nosso corpo está lá, mas a cabeça fica pensando nas crianças. Tudo isso que está acontecendo é uma pouca vergonha. Se faltasse dinheiro, tudo bem. Mas sobra, é mal investido e fiscalizado”, desabafou. A nova escola significaria também uma tentativa de melhorar a educação local. “As crianças vêm aqui na minha mercearia e não conseguem contar o próprio dinheiro”, mencionou Deusita Antunes de Campos, 66 anos, há 30 morando em Ribeirão Grande. Ela é proprietária da mercearia, localizada em frente da creche, próxima da construção abandonada.

  • A empreiteira Valor abandonou a obra da construção do Colégio Estadual Nova Ribeirão Grande, em Campina Grande do Sul, na região metropolitana de Curitiba, depois que o Gaeco deflagrou a Operação Quadro Negro, que investiga o desvio de dinheiro público. Na foto, Tatiele Cardoso Bandeira e Evelin Nadino (centro), que reclamam de que têm de se deslocar 10 km para estudar.
  • Vista da obra abandonada do Colégio Estadual Nova Ribeirão Grande.
  • Vista da obra abandonada do Colégio Estadual Nova Ribeirão Grande.
  • Em alguns locais da obra do Colégio Estadual Nova Ribeirão Grande já há grande acúmulo de água da chuva.
  • Em alguns locais da obra do Colégio Estadual Nova Ribeirão Grande já há grande acúmulo de água da chuva..
  • Em alguns locais da obra do Colégio Estadual Nova Ribeirão Grande já há grande acúmulo de água da chuva.
  • Vista da obra abandonada do Colégio Estadual Nova Ribeirão Grande.
  • Vista da obra abandonada do Colégio Estadual Nova Ribeirão Grande.
  • Vista da obra abandonada do Colégio Estadual Nova Ribeirão Grande.
  • Placa da Escola Nova Ribeirão Grande mostra o valor da obra inacabada: R$ 2,9 milhões.
  • Vista da obra abandonada do Colégio Estadual Nova Ribeirão Grande.
  • A construtora Valor também abandonou a construção do Colégio Estadual Nova Jardim Paulista, também em Campina Grande do Sul, região metropolitana de Curitiba. Na foto, os irmãos gêmeos Patrique e Pablo Saymom Araujo de Assis, de 13 anos,naquilo que deveria ser uma sala de aula.
  • Os irmãos gêmeos Patrique e Pablo em outra área inacabada da escola.
  • Vista das obras abandonadas da Escola Nova Jardim Paulista, que virou mocó e ponto de consumo de drogas.
  • Vista das obras abandonadas da Escola Nova Jardim Paulista, que virou mocó e ponto de consumo de drogas.
  • Vista das obras abandonadas da Escola Nova Jardim Paulista, que virou mocó e ponto de consumo de drogas.
  • Vista das obras abandonadas da Escola Nova Jardim Paulista, que virou mocó e ponto de consumo de drogas.
  • Lápis de cera e giz jogados ao chão são uma das poucas coisas que lembram que ali deveria haver uma escola.
  • Vista das obras abandonadas da Escola Nova Jardim Paulista, que virou mocó e ponto de consumo de drogas.
  • Vista das obras abandonadas da Escola Nova Jardim Paulista, que virou mocó e ponto de consumo de drogas.
  • Vista das obras abandonadas da Escola Nova Jardim Paulista, que virou mocó e ponto de consumo de drogas.
  • Vista das obras abandonadas da Escola Nova Jardim Paulista, que virou mocó e ponto de consumo de drogas.
  • Vista das obras abandonadas da Escola Nova Jardim Paulista, que virou mocó e ponto de consumo de drogas.
  • Dois homens foram flagrados pela reportagem por dois dias seguidas na escola. Um deles fumava maconha.
  • Placa da construção da escola Jardim Paulista indica o valor da obra: R$ 4,2 milhões.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.