i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Temporal

Ocupação irregular das margens dos rios agrava a tragédia

  • Por
  • 06/02/2010 21:10

O Rio Jaguaricatu, que já tinha recebido entulhos dos seus afluentes antes de passar por Sengés, ganhou velocidade ao se encontrar com o chamado Ribeirão da Ponte, no centro, durante o temporal da semana passada. Essa é a hipótese preliminar para o poder destrutivo do rio, segundo o coordenador do Centro de Apoio Científico em Desastres (Cenacid) da Universi­dade Federal do Paraná (UFPR), Renato Eugênio de Lima. Ele visitou Sengés na última quinta-feira e percebeu os estragos. "Esses imóveis arrancados pela correnteza resistiriam se tivesse ocorrido uma cheia normal", completa.

Ele explica que o excesso de chuva atingiu um corredor de Curitiba até a divisa com São Paulo, promovendo cerca de 500 deslizamentos nas áreas montanhosas e enchentes nos municípios. Para Lima, a tragédia deixou como lição a necessidade de cuidar das margens. "O rio tem que permitir encher de vez em quando", lembra.

O tenente da Defesa Civil na região, Jorge Augusto Ramos, lembrou que a ocupação irregular já é histórica. "As pessoas constroem nos barrancos dos rios e, quando começa o período de chuvas, é isso que acontece", comenta. A Defesa Civil já interditou duas residências, mas vai manter as vistorias.

O professor do departamento de Engenharia Civil da UFPR, Eduardo Dell Avanzi, lembra que é necessário fazer um estudo técnico para verificar se o fenômeno voltará a ocorrer e montar planos de salvamento e rotas de saída da cidade. A saída encontrada pelo município de União da Vitória, no Sul do Paraná, que é cortado pelo Rio Iguaçu, foi remover as famílias das áreas de riscos e construir praças de contenção nos locais onde ele mais subia. O município, que teve enchentes históricas em 1983 e 1992, ainda tem três áreas de risco e vai construir 43 casas em conjunto com a Companhia de Habi­tação do Paraná (Cohapar). A prefeitura de Sengés ainda não tem planos de prevenção. "Isso tudo ainda terá que ser estudado", diz o prefeito Walter Juliano Dória. (MGS)

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.