i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Pandemia

OMS critica decisão

  • PorAgência Estado
  • 30/06/2009 21:08

Genebra - Governos, principalmente no Hemisfério Sul, devem abandonar estratégias para tentar conter o vírus H1N1 e passar a adotar estratégias de redução do impacto da gripe suína para comunidades. A recomendação é do vice-diretor da Organização Mundial da Saúde (OMS), Keiji Fukuda. À reportagem, Fukuda deixou claro que nem fechar fronteiras nem recomendar que pessoas evitem países com altos números de casos da doença resolverão o problema.

Evitando citar o nome do Brasil, Fukuda deixou claro que a agência de Saúde da ONU não apoiará qualquer medida contra viagens a Argentina e Chile. "A OMS não endossa nem recomendações para não viajar nem o fechamento de fronteiras. Desde o início da pandemia deixamos isso claro e essa posição continua valendo", disse.

"A disseminação do vírus está ocorrendo por pessoas que viajam, mas também internamente em muitos países. Hoje, conter o vírus H1N1 é muito difícil. É verdade que países estão em estágios diferentes da expansão da gripe. Mas, de uma forma geral, conter não é a estratégia mais adequada", disse Fukuda. Ele lembra que mais de 70 mil casos já foram registrados em todo o mundo, em quase dois terços dos países.

Segundo ele, governos precisam agora focar seus esforços em reduzir o impacto sobre a população, que inevitavelmente poderá ser contaminada pelo vírus. Na maioria dos casos, o vírus gera uma reação apenas moderada. "Mitigar o impacto e reduzir os problemas para as famílias e pessoas deve ser o foco do trabalho agora", salientou.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.