i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Curitiba

Ônibus voltam a circular normalmente e greve está descartada

Sindicato dos motoristas e cobradores de Curitiba e região suspende greve depois do pagamento dos salários atrasados

  • PorLuan Galani, Fernanda Trisotto e Carolina Pompeo, especial para a Gazeta do Povo
  • 08/01/2015 16:51

Depois de uma paralisação de quatro horas dos motoristas e cobradores do transporte coletivo de Curitiba e Região nesta quinta-feira (8), os ônibus voltaram a circular e a greve está descartada. A decisão foi tomada pelo sindicato da categoria, o Sindimoc, depois que foram confirmados os depósitos dos pagamentos dos mais de 4 mil trabalhadores afetados. O protesto foi das 10 horas às 14h30, quando o serviço começou a normalizar.

Para tentar impedir a greve, a prefeitura de Curitiba anunciou, na quarta-feira (7), o depósito emergencial de R$ 3,8 milhões no Fundo de Urbanização de Curitiba (FUC). A verba foi utilizada para quitar parte da dívida acumulada com as empresas de ônibus, que era de R$ 9,5 milhões.

Mesmo sendo insuficiente para saldar a dívida, as empresas, via assessoria de imprensa de seu sindicato, o Setransp, informaram que efetuaram os pagamento e bancaram a diferença.

Embora a greve geral já tivesse sido cancelada, a categoria não abriu mão do protesto porque os atrasos no pagamento dos funcionários tem sido recorrentes nos últimos meses e seriam um reflexo da falta de repasses dos recursos da prefeitura e governo estadual para as empresas, que ficam sem dinheiro em caixa para honrar o depósito dos salários.

"A corda estourou, não aguentamos mais. Queremos mostrar para o governo do estado que existe transporte coletivo em Curitiba", afirmou o presidente do Sindimoc, Anderson Teixeira. Além do protesto contra o atraso salarial, Teixeira criticou o governo estadual, que ainda não havia quitado R$ 16,7 milhões referentes às três ultimas parcelas do subsídio que cobre a diferença entre o valor pago pelo usuário metropolitano e o repassado às empresas.

Atualmente, a tarifa integrada custa R$ 2,85 e o valor repassado às empresas por passageiro é de R$ 3,18. O atual convênio venceu no último dia 31 de dezembro e ainda não foi renovado.

Movimento abusivo

A Urbs informa ainda que comunicou a Justiça do Trabalho sobre a paralisação e declarou considerar o movimento abusivo, uma vez que na noite de quarta-feira o Sindimoc anunciou a suspensão da greve. No documento enviado à Justiça, a empresa que administra o sistema reitera o pedido feito em dezembro e no início dessa semana para que seja mantida a frota mínima de 70% em horários de pico e de 40% em horários de menor movimento.

Segundo o Tribunal Regional do Trabalho do Paraná (TRT-PR), os pedidos da Urbs ainda não foram apreciados pela Justiça . A assessoria de imprensa do tribunal esclarece ainda que o pedido da Urbs perdeu urgência diante do pagamento dos salários e da suspensão da greve por parte do sindicato.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.