i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Telefone público

Orelhão mudo deixa usuários na mão

Dos 458 aparelhos vistoriados pela reportagem no Centro de Curitiba, 220 estão quebrados. Empresa afirma que faz a manutenção obrigatória

  • PorPedro de Castro
  • 17/06/2010 21:06
Orelhão estragado no calçadão da Rua XV de Novembro: até adesivo de propaganda foi colado no telefone | Marcelo Elias/Gazeta do Povo
Orelhão estragado no calçadão da Rua XV de Novembro: até adesivo de propaganda foi colado no telefone| Foto: Marcelo Elias/Gazeta do Povo
  • Quase metade dos orelhões testados no centro de Curitiba não funciona

Quem precisa usar telefone público na região central de Curi­tiba tem dificuldade de encontrar um aparelho funcionando – ao menos na primeira tentativa. Há ruas em que o número de orelhões quebrados ultrapassa o daqueles em operação, fazendo com que a busca, por vezes, se estenda por várias quadras. A reportagem testou 458 aparelhos e constatou que quase a metade deles está inutilizável – 220 não efetuavam ligações.

Em um intervalo de aproximadamente três horas, em um único dia, foram testados orelhões em sete praças e trechos de três vias com grande circulação de pessoas. A maioria dos aparelhos que não funcionava (160) estava aparentemente bem conservada, mas não dava sinal de linha ou não discava corretamente. O restante tinha sofrido algum tipo visível de depredação: 44 tiveram a peça da extremidade superior do fone arrancada, 13 estavam sem o fone e outros três tinham campânulas e aparelhos totalmente vandalizados.

O índice de telefones fora de operação varia de acordo com o lugar. A Praça Osório tinha sete dos 39 telefones quebrados. Proporção parecida com o do calçadão da Rua XV de Novembro: 24 de 101. O trecho da Rua Marechal Deodoro entre os cruzamentos com as ruas Mariano Torres e Desembargador Westphalen, a Praça Tiradentes e o entorno da Praça Generoso Marques ficaram dentro da média geral.

Em todas as demais vias o número de orelhões quebrados superava com folga o daqueles em funcionamento. Nas praças Carlos Gomes e Zacarias, eram três telefones fora de operação para cada um utilizável. Se a proporção era menor na Praça Rui Barbosa, o número não deixa de chamar a atenção. O ponto com a maior concentração de orelhões – 80, no espaço equivalente a três quadras – tinha 54 deles sem qualquer utilidade.

Lá, a cena comum em que a pessoa tenta uma, duas, três vezes até conseguir um orelhão funcionando se estende por minutos. A diarista Marta Mika, 43 anos, já estava na terceira tentativa quando resolveu retomar seu caminho e só testar aqueles que aparecessem na frente. Marta não tem celular e depende do telefone público para falar com a filha quando vem trabalhar na capital. Ela só foi encontrar um duas quadras adiante. "Onde está a manutenção dos orelhões?", questiona. Outro que protesta é o cobrador de ônibus Rogério Ferraz, 30 anos. "Sempre uso meu intervalo para ligar para a minha mulher. Na frente do nosso ponto tem um poste com três orelhões, mas só dá para usar um, faz meses."

Reparo

Os orelhões são de responsabilidade das concessionárias de telefonia e devem ser reparados, em 98% das vezes, até 8 horas depois da solicitação do usuário, de acordo com as metas de qualidade para o setor. O prazo máximo para conserto é de 24 horas. No Paraná, a empresa responsável é a Oi, que afirma cumprir essas regras e informa, em nota, que vai vistoriar os telefones públicos testados pela reportagem.

A Oi ressalva que os aparelhos sofrem diariamente com o vandalismo. De acordo com a empresa, cerca de 4,4 mil telefones e 200 campânulas, em média, são depredados por mês no estado. Isso representa 7,3% dos 61 mil telefones públicos instalados – proporção muito inferior à verificada no centro de Curitiba.

Serviço:

Solicitações de reparo de orelhões podem ser feitas pelo telefone 10314.

* * * * *

Interatividade

Você já precisou usar o telefone público e ele estava estragado?

Escreva para leitor@gazetadopovo.com.br

As cartas selecionadas serão publicadas na Coluna do Leitor.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.