i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
OPERAÇÃO Research

“Os sistemas de controle eram insuficientes”, admite reitor sobre os desvios na UFPR

Antes da Operação da Polícia Federal, Ricardo Marcelo Fonseca havia confirmado à Gazeta do Povo que uma sindicância interna já apurava as irregularidades na Universidade Federal do Paraná

  • PorKátia Brembatti e Raphael Marchiori, com informações de Débora Sögur Hous
  • 15/02/2017 09:04
Reitor Ricardo Marcelo ficou sabendo das irregularidades nas bolsas de estudo e pesquisa logo que tomou posse da UFPR. | Antônio More/Gazeta do Povo
Reitor Ricardo Marcelo ficou sabendo das irregularidades nas bolsas de estudo e pesquisa logo que tomou posse da UFPR.| Foto: Antônio More/Gazeta do Povo

A própria Universidade Federal do Paraná (UFPR) já investigava internamente o desvio de recursos de bolsas de estudo e de pesquisa que levou 29 pessoas à prisão nesta quarta-feira (15) na Operação Research da Polícia Federal (PF) nos estados do Paraná, Rio de Janeiro e Mato Grosso do Sul. Antes de a força-tarefa entrar em ação - além da PF, também participam da investigação o Tribunal de Contas da União (TCU) e a Controladoria-Geral da União (CGU) - uma sindicância interna na universidade havia sido aberta para averiguar o desvio de R$ 7,3 milhões entre 2013 e 2016 - nesta terça, a CGU confirmou valor. A informação foi confirmada à Gazeta do Povo dia 3 de fevereiro pelo reitor próprio Ricardo Marcelo Fonseca em entrevista - o jornal também vinha apurando as irregularidades desde dezembro.

Cabeleireiro recebia ‘bolsa’ maior do que de professor no esquema de desvio da UFPR

Leia a matéria completa

A averiguação interna da UFPR tinha prazo de 60 dias, podendo ser prorrogado por mais 60. Na entrevista, o reitor afirma que soube do desvio de recursos logo que assumiu a administração da UFPR, mas que a denúncia à polícia havia sido feita poucos dias antes de ele tomar posse, ainda na gestão do ex-reitor Zak Akel.

Fonseca admitiu que o controle das contas das bolsas eram insuficientes tanto dentro da própria UFPR, como nos órgãos externos que acompanham as contas da universidade. “Isso tudo é um choque para universidade e acaba mostrando que os sistemas de controle eram insuficientes”, enfatiza o reitor.

Quando a universidade comunicou a Polícia Federal sobre as irregularidades?

No dia 2 de dezembro foi comunicado. E as investigações que estão acontecendo agora são exatamente por iniciativa da universidade. Ao mesmo tempo, também no mês de dezembro, ainda na gestão anterior, foi constituída uma comissão administrativa de sindicância para apurar os fatos que envolvem essa situação e essa comissão agora está em pleno funcionamento.

Como a universidade descobriu as irregularidades?

Pelo Tribunal de Contas da União. A partir das rotinas de controle regulares que eles fazem em todos os órgãos públicos federais. Eles detectaram alguma divergência de valores e a universidade constatou que havia de fato um problema ali. A partir de então, foram tomadas providências, ainda na gestão anterior, enfatizo.

Os funcionários estão afastados por causa da sindicância?

Esse é um fato que não posso responder agora, porque está sendo decidido pela comissão de sindicância [duas funcionárias acabaram exoneradas da função de confiança que exerciam, mas continuam a receber salário até que a apuração seja concluída]. A comissão de sindicância tem autonomia de suspender.

O que estamos tentando entender é como foi possível construir uma brecha para que fosse possível destinar recursos para pessoas que não são pesquisadores, não são estudantes. Essas informações constam no Portal da Transparência do Governo Federal, ou seja, de alguma forma esse portal era abastecido com a informação correta. Correta no sentido de quem recebeu efetivamente o dinheiro, mas essas pessoas não foram controladas por nenhum dos vários níveis de controle que em tese todas essas estruturas federais têm normalmente.

Obviamente que isso tudo é um choque para universidade e acaba mostrando que os sistemas de controle eram insuficientes. Sistemas de controle existiam, mas é inegável diante do estágio em que estamos reconhecer que os sistemas de controle se mostraram insuficientes.

Mas os mecanismos internos da UFPR foram burlados....

Esses velhos mecanismos internos certamente vão ser incrementados. Essas providências vão exatamente nesse sentido. Agora, independente disso, os meios de controle externos são permanentes na universidade, com a presença da CGU, TCU, mesmo a presença do Ministério Público Federal, sempre demandando coisas da universidade. No que diz respeito à pesquisa, sempre há as prestações de contas às próprias agências de fomento. Então a gente está enredado em formas de controle. Mas acho que, não obstante isso, a gente precisa incrementar de fato isso.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.