i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Saúde

Paciência e sofrimento antes da identificação correta do problema

  • Por
  • 28/03/2009 21:10

O comportamento atípico de Rodrigo, 13 anos, fez com que a mãe, a fisioterapeuta Cláudia (nomes fictícios), o levasse ao médico. Aos 4 anos o menino era agitado, tinha medo de usar o banheiro, não gostava de assistir tevê, tinha manias estranhas e não interagia ou participava das atividades na escola. Depois da consulta com um neuropediatra, Rodrigo recebeu o diagnóstico de hiperatividade. Foi encaminhado para uma psicóloga que, por sua vez, indicou um psiquiatra. Apesar do comportamento da criança, o psiquiatra disse que não havia nada de errado e disse para continuar com o acompanhamento psicológico, apenas para ajudar a mãe a lidar com o filho.

Dois anos se passaram e Rodrigo não apresentava nenhuma melhora. Repetiu o Jardim II e novas manias surgiram. A psicóloga suspeitou que ele tivesse Transtorno Obsessivo Compulsivo (TOC) e novamente a família foi procurar um psiquiatra. "Mas ele só aumentava a dose dos remédios a cada consulta e não parecia ter certeza do que dizia", conta Cláudia. A falta de melhora no quadro do filho e a insegurança dos médicos a levou a parar com o acompanhamento psicológico e os medicamentos também foram cortados. "Eu me sentia muito mal em dar remédios para meu filho tão pequeno sem ter um especialista que me explicasse com convicção o que ele tinha e para quê servia aquela medicação", conta.

Após três anos sem tratamento, Rodrigo passou a requerer ainda mais atenção. "Ele começou a ter medo de ser contaminado por bactérias e, além disso, passou a fazer coisas como olhar para trás dos dois lados para ver se não havia ninguém para atacá-lo", diz.

Depois de muita procura, Cláudia disse que finalmente encontrou um médico em que confia. "Ele explica perfeitamente tudo o que estamos passando. Agora sinto que realmente estou ajudando meu filho", conta. Além da hiperatividade, descobriram que Rodrigo tem TOC e síndrome de Asperger (que pertence ao espectro autista). Após seis meses de tratamento, a mãe diz que o filho está mais interessado e menos ansioso. "Antes ele era tido como preguiçoso ou dissimulado, agora todos colaboram para que ele evolua. Minha forma de lidar com ele também mudou e estamos felizes porque vemos resultados. E isso é só o início do tratamento", afirma Cláudia.

Paciência

O sucesso no diagnóstico de um transtorno mental pode depender da experiência de cada profissional, das abordagens feitas e do tempo que é passado com o paciente. Sobre a dificuldade em se encontrar um consenso entre os especialistas, o psiquiatra Marcelo Luigi Martins afirma que é preciso calma e paciência em primeiro lugar. "As famílias devem buscar orientação em clínicas estruturadas. Tudo é evolutivo e é preciso ter cautela." O neuropediatra Clay Brites ressalta a importância dos pais serem persistentes na procura pelo melhor tratamento para os filhos e considerarem a necessidade que eles podem ter de medicamentos específicos. "Um distúrbio deve ser enfrentado precocemente. Deve ficar claro que o que é fato e provado cientificamente não deve ser ignorado, para o bem dos próprios pacientes", afirma. (AC)

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.