i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
estado de alerta

Para cientista que descobriu vírus é preciso focar na África

  • PorEstadão Conteúdo
  • 10/10/2014 21:06
 |
| Foto:

Ainda na quarta-feira, antes do caso suspeito de ebola no Brasil, o microbiólogo belga que descobriu o vírus em 1976 e hoje atua como consultor da Organização Mundial da Saúde (OMS), Peter Piot, alertou para a necessidade de se monitorar aeroportos de perto e atuar pesadamente no combate à doença no Oeste da África.

INFOGRÁFICO: Veja quais países já confirmaram casos e mortes pela doença

Em 1976, Piot percorreu dezenas de vilarejos pelo Zaire para entender como um novo vírus era transmitido. Três meses depois de detectar o primeiro surto, a doença foi controlada. Mas deixou 300 mortos.

Para Piot, a chave para barrar uma contaminação em outras regiões do mundo é atacar o surto no Oeste da África. Ele não esconde que teme que casos identificados nos Estados Unidos e na Espanha acabem tirando o foco da comunidade internacional: o problema real está na África. "Foram necessários dois americanos contaminados para que o mundo mobilizasse recursos."

Sobre os esforços adotados até agora para conter o ebola– que incluem envio de dinheiro de vários países, inclusive o Brasil, e de soldados norteamericanos para a Libéria, o país mais afetado –, Piot diz que a OMS falhou. "Parar a epidemia é uma prioridade. Existe uma aceleração no desenvolvimento de tratamentos, de vacinas. Mas agora é importante que isso seja feito de forma coordenada."

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.