i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Estelionato

Pensionistas do Exército são vítimas de golpe

Se a linha de empréstimo determinada pelo banco era de R$ 10 mil, os golpistas afirmavam ao pensionista que era de R$ 5 mil

  • PorAgência Estado
  • 11/02/2010 07:05

Centenas de pensionistas do Exército caíram num golpe aplicado a partir de um escritório na Rua Marquês de Itu, na Vila Buarque, região central de São Paulo. Os estelionatários ofereciam a intermediação de empréstimos consignados às vítimas, mas entregavam apenas parte do dinheiro obtido nas negociações com o Banco do Brasil e a Caixa Econômica Federal. O Departamento de Investigações sobre Crime Organizado de São Paulo (Deic) tenta, agora, prender os três gaúchos apontados como responsáveis pelo esquema e descobrir o prejuízo total causado por eles.

Os policiais desmontaram o escritório dos estelionatários anteontem, após dois meses de investigação. O local funcionava com o nome de "Central de Bancos". Os agentes encontraram ali dez funcionários, contratados para ligar para as vítimas. Em depoimento, eles negaram participação na fraude e acabaram sendo liberados, segundo o delegado Paulo Henrique Navarro, do Deic.

Os "operadores" selecionavam as vítimas com base numa lista com nomes e outros dados de pensionistas do Exército. "Eles ligavam para uma pessoa, por exemplo, e falavam: ‘A senhora fez um empréstimo com a União nos últimos tempos?’ Se a pessoa respondesse que não, eles revelavam o limite do empréstimo e diziam que as prestações eram pequenas", explicou Navarro.

O limite informado correspondia, entretanto, a parte do limite real. Ou seja, se a linha de empréstimo determinada pelo banco era de R$ 10 mil, os golpistas afirmavam ao pensionista que era de R$ 5 mil. Ao concordar com a negociação, a vítima enviava os documentos dela ao falso escritório. Eles eram apresentados normalmente aos bancos, porém solicitando o valor que representava o verdadeiro limite de empréstimo. Os bancos creditavam, então, a quantia na conta do pensionista.

"Depois que o dinheiro caía, eles ligavam para o pensionista e diziam que o banco havia depositado dinheiro a mais na conta dela", afirmou Navarro. A pessoa era orientada a devolver a diferença para uma conta bancária indicada pelos golpistas.

Um mês depois, quando o banco cobrava a parcela referente ao real empréstimo concedido, o pensionista reclamava e o estelionatário devolvia a diferença. No segundo mês, o ritual repetia-se. No terceiro, o golpista já havia mudado o escritório para outro endereço. O delegado acredita que esse esquema tenha funcionado por um ano.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.