i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Meio ambiente

Plano de mudança do clima vai para consulta pública nesta segunda

  • PorAgência Estado
  • 25/09/2008 16:29

O Plano Nacional de Mudança Climática que o governo submeterá a consulta pública a partir de segunda-feira (29) prevê a substituição gradativa do uso da gasolina pelo álcool na frota de carros nacionais, com crescimento de 11% ao ano na produção do etanol. Nesse ritmo, o País deverá produzir 53,2 bilhões de litros de álcool em 2017, mais que o dobro dos atuais 25,6 bilhões.

Ficou decidido também que a partir do ano que vem, a Caixa Econômica Federal (CEF) só financiará imóveis que prevejam o aproveitamento de energias limpas, como a solar. Mesmo projetos de habitação popular, como os grandes conjuntos feitos para as classes C e D, terão de conter painéis captadores de energia solar, para evitar o consumo de energia elétrica com chuveiros e outros tipos de aquecedores.

Caberá à Caixa duplicar - prevendo a contrapartida de Estados e municípios - de R$ 6 bilhões para R$ 12 bilhões os investimentos anuais em tratamento de esgoto sanitário, produtores de gás metano, que também ajudam no efeito estufa. Esse gás deverá ser aproveitado como fonte de energia. Pelos planos do governo, até 2015, a população atendida por esgotos tratados subirá dos atuais 35% para 70%.

Embora o Brasil não tenha obrigação quantitativa de reduzir a emissão de carbono (CO2), por não ter responsabilidade histórica significativa pelo acúmulo de gases de efeito estufa na atmosfera, o governo decidiu fazer um plano ousado. Coube aos ministros do Meio Ambiente, Carlos Minc, e da Ciência e Tecnologia, Sérgio Rezende, divulgá-lo. As sugestões do público para mudanças poderão ser feitas até 31 de outubro.

Somente depois dessa fase é que será possível estipular o quanto o País economizará na emissão de carbono e quanto custará o plano, explicou a secretária de Mudanças Climáticas do Meio Ambiente, Suzana Kahn, que integra o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), vencedor do prêmio Nobel da Paz este ano, ao lado de Al Gore, ex-vice-presidente dos Estados Unidos.

Pelos planos otimistas do governo, em dez anos deverão ser substituídos dez milhões de refrigeradores considerados obsoletos, que gastam muita energia elétrica e ainda funcionam à base do gás CFC, altamente nocivo à camada de ozônio. Para conseguir tal meta, o governo terá de multiplicar por até 20 vezes os seus esforços. No ano passado, empresas de energia elétrica trocaram 35 mil destes aparelhos; neste ano, deverão ser substituídos 50 mil.

Nesse clima de otimismo, o Ministério de Minas e Energia prevê que serão agregados ao sistema 34.450 megawatts em novas hidrelétricas, com investimentos de R$ 90 bilhões até 2016, com expansão majoritariamente hídrica. No ano que vem, deverá ser realizado o primeiro leilão voltado exclusivamente para a fonte de energia eólica. A idéia é que tanto a energia proveniente de hidrelétricas quanto solar ou eólica substituam usinas que atualmente utilizam óleo diesel.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.