i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
curitiba

Polícia e MP vão investigar morte de paciente

  • PorFelippe Anibal
  • 05/10/2012 21:10
João Carlos estava internado no Evangélico havia 4 anos | Hugo Harada/Gazeta do Povo
João Carlos estava internado no Evangélico havia 4 anos| Foto: Hugo Harada/Gazeta do Povo

A Polícia Civil vai apurar as eventuais responsabilidades criminais pela morte de João Carlos Siqueira Rodrigues, que estava internado havia quatro anos no Hospital Evangélico de Curitiba e morreu no fim de agosto, vítima de erro de um funcionário. Em nota divulgada na tarde de ontem, o Ministério Público do Paraná (MP-PR) informou que vai acompanhar as investigações policiais. A Promotoria de Proteção à Saúde Pública de Curitiba afirmou que, em tese, o servidor poderá responder por homicídio culposo – quando não há intenção de cometer o crime. O hospital também pode ser responsabilizado, segundo o MP.

Rodrigues ficou conhecido por produzir um livro, mesmo sem sair do leito do hospital. Ele morreu em 28 de agosto, depois de ter permanecido quatro anos internado por causa de uma doença neuromuscular degenerativa. Segundo nota do MP-PR, a principal tese é de que um auxiliar de enfermagem teria desligado o aparelho que mantinha o paciente respirando. O inquérito foi instaurado pelo Núcleo de Repressão aos Crimes Contra a Saúde (Nucrisa).

Na quinta-feira, o Hos­­pital Evangélico divulgou o resultado de uma sindicância interna, que reconheceu que o paciente morreu por um "ato falho de um profissional".

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.